Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Gilberto Ururahy Por Gilberto Ururahy, médico Especialista em medicina preventiva

Prevenção ao suicídio: questão de estilo de vida

Uma rotina saudável nos faz buscar soluções para fatores estressantes e nos proporciona bem-estar e segurança

Por Gilberto Ururahy Atualizado em 28 set 2020, 10h54 - Publicado em 28 set 2020, 10h29

Recebi o texto abaixo do meu amigo Ricardo Braga, psiquiatra e psicoterapeuta, a quem pedi licença para compartilhar com os leitores desta coluna. – Gilberto Ururahy

Prevenção ao suicídio: questão de estilo de vida (por Ricardo Braga)

O mês de setembro é dedicado à campanha de prevenção ao suicídio: Setembro Amarelo. É sempre bom enfatizar que o paciente que tenta suicídio não o faz por glamour, não o faz para chamar atenção. No meu saber de psiquiatra, acredito que ninguém escolhe morrer de suicídio. Não se trata de escolha, mas sim de um transtorno, de uma doença mental. Doença que ameaça a vida, doença que mata.

E como prevenir o suicídio? A única forma de lidar e tratar o suicídio é através da prevenção. Saúde é prevenção. Saúde mental é prevenção. E saúde não vem pronta, é preciso promovê-la e conquistá-la para preservá-la.

Um estilo de vida saudável nos faz buscar soluções para fatores estressantes e nos proporciona bem-estar e segurança. A não resolução dos desafios da vida nos mantém sob estresse constante, uma vez que problemas não resolvidos costumam gerar mais problemas tornando a carga de estresse insuportável.

Dependendo da intensidade, do tempo e da resposta do indivíduo, o estresse se transforma em sofrimento mental. Se ocorrer um sentimento de impotência diante da ameaça à integridade física ou moral ele pode se tornar um adoecimento. E assim, desenvolvem-se os transtornos de estresse agudo e o de estresse pós-traumático. A diferença entre eles é o tempo de atuação do estresse não resolvido e da falta de adaptação. O estresse mantido é forte fator desencadeante de transtornos do espectro afetivo. Destes, a maior incidência de tentativas ou de concretização de suicídio vem da depressão.

Podemos pensar o suicídio em quatro etapas: ideação, planejamento, tentativas e o ato final do suicídio, fatal. No entanto, a impulsividade que costuma acompanhar o quadro afetivo, principalmente no começo da melhora, faz com que algumas etapas não ocorram. O início de melhora, com aparente recuperação da depressão, pode ser um momento de maior risco – a medicação antidepressiva pode diminuir o comprometimento da psicomotricidade e o paciente ter maior autonomia para executar o suicídio. A família pode relaxar a vigilância por acreditar que a melhora está sob controle.

Continua após a publicidade

O tratamento do transtorno afetivo se faz com antidepressivos e pode também ser acompanhado por estabilizadores de humor e por moduladores da noradrenalina, lançados no mercado recentemente.

O suicídio não tem tratamento, tem prevenção. A prevenção em saúde mental se dá por uma atitude de vida: evitar estresses não resolvidos e a falta de adaptação aos desafios que viver proporciona. Estresses não resolvidos podem manter constante a descarga de noradrenalina que atua no cérebro, responsável por sintomas de hiperexcitabilidades como ansiedade, irritabilidade, impulsividade e alterações de sono. Todos esses sintomas mantidos podem servir como fatores desencadeantes dos transtornos do humor que aumentam o risco de suicídio.

O tratamento do deprimido e do paciente em risco de suicídio é feito com acompanhamento da família pois sabemos que doença mental não é contagiosa, é contagiante. Todos devem ser orientados pelo médico responsável.

A prevenção está no estilo de vida: evitar o estresse, trabalhar para resolvê-lo. O suicídio não nasce pronto, ele se torna suicídio. “É o fim do caminho, o resto do toco”. Precisamos cuidar de nossos queridos familiares: diante de um quadro depressivo, precisamos acompanhar de perto.

A depressão é uma doença que pode matar. Mas há uma boa notícia: ela costuma ser benigna e, se bem tratada, evolui com remissão. O paciente bem acompanhado fica bem.

O final da história pode e deve ser um final feliz.

Ricardo Braga, psiquiatra
 especialista em psicoterapia individual e familiar.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado, com Blogs e Colunistas que são a cara da cidade.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

App Veja para celular e tablet, atualizado mensalmente com todas as edições da Veja Rio

a partir de R$ 12,90/mês