Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Faro na web As NOVAS vozes da cena musical brasileira contemporânea

Revolução dos Cravos

Penso que o poder do rádio, da música e do povo ainda podem salvar o Brasil e restabelecer a democracia plena.

Por Fabiane Pereira Atualizado em 25 abr 2018, 22h55 - Publicado em 25 abr 2018, 19h18

Há quase dois anos estou numa doce ponte aérea transatlântica entre Rio e Lisboa por causa de um mestrado. Sou filha do privilégio e sei que, no Brasil, esta oportunidade é pra poucos. Mas não me faço de rogada e aproveito ao máximo cada minuto que passo na terrinha. Na escola (ou na faculdade), já havia lido sobre a importância da Revolução dos Cravos mas só morando em Lisboa tive a completa dimensão do que ela representa pro povo português.

Desde então, sempre que amanhece no dia 25 de abril me lembro da força e da beleza de toda revolução. Aquele amanhecer histórico no ano de 1974 fez nascer um país novo. Naquele dia, os portugueses dariam fim a quatro décadas de ditadura e há 44 anos chamam o 25 de abril de Dia da Liberdade.

O fato interessante é que o levante popular português se deu quando a canção Grândola, Vila Morena, de José Afonso, proibida até então pelo regime ditatorial de Salazar, começou a tocar no rádio. Numa comparação duvidosa, José Afonso seria uma espécie de Geraldo Vandré.

Os versos “Grândola, vila morena / Terra da fraternidade / O povo é que mais ordena / Dentro de ti, ó cidade” deram início à revolução mais importante de Portugal. Na madrugada de 25 de abril de 1974, os portugueses estavam à espera de dois sinais para iniciar a insurreição contra o poder estabelecido. Os sinais vieram, nem tão disfarçados assim, através da execução de duas canções no rádio. A primeira tocou na Rádio Emissores Associados  e a segunda na Rádio Renascença. A canção de José Afonso tornou-se icônica já que foi logo após sua execução que os manifestantes contrários a ditadura – a esta altura, quase todos os portugueses – começaram a ocupar os pontos estratégicos do país e nas horas seguintes, a ditadura desmoronou.

Um amigo português contou-me esta história logo que soube que eu trabalhava em rádio e desde então sou fascinada pela Revolução dos Cravos. Penso que o poder do rádio, da música e do povo ainda podem salvar o Brasil e restabelecer a democracia plena.

Sou da turma dos revolucionários embora na maior parte das vezes eu seja apenas uma ativista de sofá. Viva os portugueses!

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado, com Blogs e Colunistas que são a cara da cidade.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

App Veja para celular e tablet, atualizado mensalmente com todas as edições da Veja Rio

a partir de R$ 12,90/mês