Imagem Blog

Esquinas do Esporte

Por Alexandre Carauta, jornalista e professor da PUC-Rio Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Pelos caminhos entre esporte, bem-estar e cidadania
Continua após publicidade

Futuro esportivo também encara o decisivo jogo da conciliação

Agenda 2023: uma dúzia de sugestões para regentes privados e públicos harmonizarem as dimensões industriais, sociais, culturais, educativas do esporte

Por Alexandre_Carauta Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 7 nov 2022, 18h30 - Publicado em 7 nov 2022, 07h49

Conciliação. A doce palavra vira clamor. Oxigênio a relações e futuros estrangulados por intransigências, idiotices, carências civilizatórias.

Esforços conciliatórios revelam-se tão impreteríveis quanto desafiadores. Aplicam-se ao universo esportivo.

Nunca são fáceis os consensos entre a vaidade e o altruísmo; o particular e o coletivo; a ambição econômica e a justiça social; o colorido democrático e a cobiça política; as certezas próprias e alheias. Equilíbrios especialmente difíceis em meio à banalização extremista.

Adensada pelos egoísmos de plantão, a neblina maniqueísta turva o inadiável reencontro com a ponderação, o senso comunitário, a delicadeza. Atributos sem os quais o diferente vira inimigo, em vez de alavanca ao aprendizado e ao desenvolvimento.

A tarefa impõe-se também às dimensões esportivas, radiografadas por pesquisadores como o sociólogo Pierre Bourdieu (1930-2002) e Manoel Tubino (1939-2008), ex-presidente da Federação Internacional de Educação Física. As crescentes exigências de responsabilidade socioambiental acentuam a necessidade de conciliar aspirações industriais, sociais, culturais, mediáticas, educacionais. Tais como:

Continua após a publicidade
  • Entre a democratização da prática esportiva e o desenvolvimento de uma política de Estado voltada ao bem-estar prolongado, à prevenção de doenças, na qual o esporte se torne uma das estratégias prioritárias para melhorar a saúde, sobretudo dos mais vulneráveis.
  • Entre as ginásticas orçamentárias e a ampliação do esporte adaptado em escolas, praças, praias e outros espaços públicos, sem a qual se atrofiam os benefícios para a inclusão social, a saúde, a formação de craques.
  • Entre os princípios ESG louvados por regentes esportivos e as condutas de vários deles. Se a prática seguisse o discurso, beirariam o impossível casos como o aval ao anfitrião da Copa 2022. Diante de abusos contra direitos humanos no Catar, denunciados por organizações como Human Rights Watch e Anistia Internacional, prevaleceu o pragmatismo econômico e político.
  • Entre o talento de crianças e jovens de favelas, periferias, grotões, e as condições materiais e imateriais para florescê-lo. Os títulos mundiais da ginasta Rebeca Andrade e da skatista Rayssa Leal, por exemplo, indicam o tamanho do amanhã que podemos produzir.
  • Entre a urgência de banir dos estádios todas as formas de discriminação e o amadurecimento das táticas de educação, fiscalização e punição, ainda limitadas ao verniz paliativo.
  • Entre os jogos e esportes de povos indígenas e uma valorização correspondente à sua riqueza cultural, corporal, humanitária.
  • Entre o protagonismo de grandes clubes e jogadores no mercado do futebol brasileiro e o poder decisório em torno das principais competições (propriedades) e dos rumos políticos e econômicos do setor. Envolve mais do que a implantação de uma liga inspirada nas primas ricas europeias e americanas.
  • Entre o pacto coletivo indispensável ao sucesso de ligas deste tipo e as ambições particulares. Seus integrantes precisam trocar o figurino de rivais pelo de sócios. A dificuldade manifesta-se, por exemplo, no complexo reparte da grana atrelada aos direitos de transmissão.
  • Entre a guinada para Sociedade Anônima (SAF), adotada por vários clubes brasileiros como bote para a salvação do naufrágio financeiro, e as tradições e autonomias sem as quais suas identidades – inclusive de marca – e suas densidades históricas perigam desbotar.
  • Entre as memórias do esporte brasileiro, retratos da diversidade e dos contrastes nacionais, e os recortes da ordem econômica-midiática.
  • Entre as demandas comerciais das disputas hipermidiáticas concentradas na elite da bola; as necessidades de treinos e de recuperação física dos atletas; a redução da ociosidade em parte do ano ainda sofrida pela periferia do futebol profissional no país. Essas convergências formariam um calendário mais equilibrado e justo.
  • Entre a lógica do consumo e o alinhamento da indústria esportiva a modelos de negócios e de cidades sustentáveis, em compasso com as emergências climáticas e ambientais.

A dúzia sugestões para a agenda 2023 contempla gestões privadas e públicas. Ela começa agora. Não adianta esperar o Papai Noel.

___________________

Transformação F.C.

Ronaldo conciliava orgulho, entusiasmo e prudência, ao agradecer o prêmio Homem do Ano (categoria Ícone), da revista GQ, quinta-feira passada. A ressurreição azul lhe amansa a fala, não o espírito. Sabe que as glórias de atacante fenomenal, somadas às lições empresariais, não asseguram sucesso equivalente na carreira executiva. “Há muito por fazer”, reconhece o dono da Raposa, com fome de artilheiro.

Continua após a publicidade

Não menos empreendedor tem sido o skatista Ademar Lucas, o Luquinhas, outro premiado da noite no Copa. Por meio do Instituto Ademafia, criado há dois anos, ele coordena aulas gratuitas de skate para crianças pobres e ações solidárias para moradores do Morro Santo Amaro e outras comunidades cariocas. Converte pluralidade em mobilizações transformadoras.

Luquinhas também sabe que há muito, muito por fazer. Caminho longo. O passo – conjunto – corresponde à extensão e à estatura das nossas (re)conciliações.

___________

Alexandre Carauta é doutor em Comunicação, mestre em Gestão Empresarial, pós-graduado em Administração Esportiva, formado também em Educação Física. Organizador do livro “Comunicação estratégica no esporte”.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.