Imagem Blog

Cristiana Beltrão

Por Cristiana Beltrão, restauratrice e pesquisadora de gastronomia e alimentação
Continua após publicidade

O primeiro sake artesanal do Brasil

Meninos, eu bebi!

Por Cristiana Beltrão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 24 jan 2024, 08h34 - Publicado em 24 jan 2024, 08h04

Foi admirada por sua beleza, cortou cabeças dos inimigos, comandou 300 samurais e sua luta foi celebrada em música, filmes e poesia.

Tomoe Gozen, a mais lendária mulher samurai do Japão, foi a inspiração para o batismo do primeiro sakê artesanal do Brasil.

Não à tôa…

A bela Patrícia Telló estudou feito doida, desenvolveu tecnologia, desenhou a estufa, o filtro, dominou a técnica de propagação do fungo, lutou contra a burocracia e, sobretudo, a inexistência de informações sobre como montar uma produção de sakê no Brasil, e pronto!… Foi lá e fez.

Continua após a publicidade
Patrícia Telló e seu Tomoe Craft Sake
Patrícia Telló e seu Tomoe Craft Sake (Cristiana Beltrão/Arquivo pessoal)

Cinco anos antes disso, a rotina da médica obstetra era sair do plantão e parar no restaurante japonês da esquina de sua casa, em Porto Alegre, para jantar. Daí a tomar gosto por sakê, aprender os estilos e se apaixonar pela bebida, foi um pulo.

Observando a produção da cervejaria Devaneio do Velhaco, no centro histórico de Porto Alegre, brotou na testa aquela ideia maluca, que mal sabia onde ia dar: “Hum, eles fazem cerveja… e se eu tentasse fazer sakê?”.

Continua após a publicidade

Foi a união da expertise da cervejaria em vencer barreiras da indústria de bebidas com a teimosia de Patricia e longos 5 anos de estudo, que permitiram que o sonho virasse realidade.

No Japão, o sakê é feito com arroz especial curto chamado “sakamai”, que não existe no Brasil. No nosso arroz de mesa, o amido não fica no núcleo, e sim, espalhado. Então, como fazer um sakê nacional sem conseguir polir o grão para “refinar” a bebida, já que o amido está por toda parte? Com garra.

Patrícia aproveitou sua experiência com medicina fetal para estudar os tipos de arroz brasileiros que tivessem características parecidas com as do sakamai, em parceria com a Embrapa, e se aprofundou na genética do arroz.

Continua após a publicidade
Catarina Gushiken e sua "caligrafia sensitiva"
Catarina Gushiken e sua “caligrafia sensitiva” (Cristiana Beltrão/Arquivo pessoal)

Assim nasceu o Tomoe, um junmai sem diluição, potente e cheio de umami, com um leve sabor defumado e muita nota de cogumelos secos. Achei muito gastronômico.

Quem está habituado a beber sakê japonês, deve entender que é outro bicho: é sakê original e selvagem, com a força de quem nasce no Brasil.

Continua após a publicidade

O sakê foi oferecido no Haru Sushi, de Menandro Rodrigues, como parte da celebração dos 10 anos de sua casa (e, para a nossa alegria, entra na próxima carta). Enquanto os goles desciam, observava com encantamento o balé de Catarina Gushiken, que pintava as colunas do salão. Catarina é uma artista plástica que teve seu trabalho inspirado pelos diários do seu avô, escritos em uchinaguchi (antiga língua de Okinawa, no Japão), em 1936. A partir de então, desenvolveu sua arte em torno de “caligrafias sensitivas”, que agora adornam a porta de entrada no térreo e o salão do restaurante.

furoshiki
furoshiki “Ichigo Ichie” da loja Ohayou, de Susan Eiko (Cristiana Beltrão/Arquivo pessoal)

E a tarde ainda foi (literalmente) embalada por um furoshiki com estampa criada por Catarina para loja Ohayou, da talentosa Susan Eiko.

Continua após a publicidade

Furoshiki é uma técnica japonesa de amarração de panos para embalar objetos. É mais que um jeito de amarrar: são parte do presente, do zelo em embrulhá-lo e da intenção de quem teve o trabalho – me explicou Susan, enquanto fazia lindós nós em torno da garrafa.

O furoshiki que ganhei tem como tema a expressão Ichigo Ichie (“uma vez, um encontro”), que fala da natureza única e fugaz de cada momento que vivemos na vida, como aquele, em que testemunhei o trabalho de três mulheres fortes.

Que saibamos aproveitá-los…

Saúde!

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.