Imagem Blog

Cristiana Beltrão

Por Cristiana Beltrão, restauratrice e pesquisadora de gastronomia e alimentação
Continua após publicidade

Exportando Bossa

Como é o novo restaurante de Alberto Landgraf, em Londres

Por Cristiana Beltrão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 30 Maio 2023, 19h13 - Publicado em 30 Maio 2023, 16h39

Esperava encontrar um chef ansioso; grande engano. Alberto Landgraf inaugura seu Bossa, em Londres, com tranquilidade invejável.

Talvez porque esteja trabalhando com um time já bastante afiado, vindo do seu carioca Oteque. É o caso, por exemplo, de Laís Aoki, sommelière, e Nilson Chaves, o braço direito de Alberto no Rio, que agora comanda a cozinha londrina.

Apesar da equipe expatriada, a casa nada tem a ver com o projeto carioca: os investidores são ingleses e o “namoro” entre o chef e o grupo começou quando Alberto cozinhou no Lyle’s, em Londres, no início do ano passado.

Com um pé direito altíssimo e 40 lugares com ótimo espaço entre as mesas, a casa é bem maior do que eu imaginava. A cozinha aberta para o salão imponente pode sugerir uma cozinha ambiciosa, como a do Oteque, mas a ideia do chef é apenas mostrar para o público que existe uma comida brasileira além da feijoada e do churrasco que, claro, têm seu papel, mas não são os únicos representantes do que somos. Antes de mais nada, quer que o Bossa seja um bom restaurante.

Alberto tem uma longa relação com o país: formado em gastronomia no Westminster College, trabalhou com o Gordon Ramsay (quando ainda habitava cozinhas), Tom Aikens e Anthony Demetre – que, aliás, me deu uma bela lista de ótimos restaurantes em Londres quando visitei seu Wild Honey St James, mas isso é outro post.

Continua após a publicidade
tutano na brasa com picles de cebola roxa e tapioca com creme de castanha de caju, para brincar...
tutano na brasa com picles de cebola roxa e tapioca com creme de castanha de caju, para brincar… (Cristiana Beltrão/Arquivo pessoal)

Um moqueca de frutos do mar entra como representante dos clássicos brasileiros. De resto, ingredientes bem nossos aqui e ali, mas sem caricaturas. Comecei com um bom olho de boi com bottarga, frutas vermelhas e alga kombu; depois parti para o vinagrete de polvo com ervilhas frescas, maçãs e creme de páprica; as gigantes vieiras com alho poró, trigo sarraceno e tucupi; um ótimo tutano na brasa com picles de cebola roxa e tapioca ao lado, com creme de castanha de caju; secretos de porco com purê de maçã e berinjela; e ainda um linguado no vapor com abobrinha, soja fermentada e leite de castanha de caju. Tudo muito bom.

Laís Aoki quer mostrar a diversidade brasileira através de sua carta de vinhos
Laís Aoki quer mostrar a diversidade brasileira através de sua carta de vinhos (Cristiana Beltrão/Arquivo pessoal)

Para rimar com o cardápio, uma carta cheia de sazonalidade e frescor, como comenta Laís. A ideia é mostrar um país diverso, de dimensões continentais e grande influência de imigrantes através de suas bebidas. São 120 rótulos de vinhos, saquês, cervejas e bebidas não alcoólicas, na carta que ainda aguarda a chegada de algumas garrafas, sempre pouco convencionais como é a assinatura da sommelière. Apesar de priorizar vinhos de mínima intervenção, entendeu que alguns clientes do bairro são mais conservadores, então não levanta grandes bandeiras. O importante é ser uma carta boa com castas, regiões e produtores menos óbvios.

Continua após a publicidade
Danilo Nakamura, responsável pelo conceito, criação e treinamento da carta de coquetéis
Danilo Nakamura, responsável pelo conceito, criação e treinamento da carta de coquetéis, executada à perfeição por Vinicius Kodama (Cristiana Beltrão/Arquivo pessoal)

Last, but not least, o bar, por si só, vale a visita. “Londres é o epicentro da coquetelaria mundial e é um prazer poder usar esse nível de garrafas para as bebidas de base”, diz Danilo Nakamura, responsável pela criação, conceito e treinamento da carta do bar comandado pelo competente Vinicius Kodama. Ter liberdade de criação com liberdade financeira para servir as melhores bebidas de base é algo que fica claro no caso do Dream of Adonis, uma releitura do drink clássico, só que feita com um Jerez da Equipo Navazos e Sacred English Spiced Vermouth (que tal?); ou ainda o Black Pepper, em que a pimenta entra tostada e “tremendo” antes de prepararem o xarope, como brinca Danilo, e vem com nada menos que Monkey Shoulder Blended Scotch e um toque de Laphroaig emprestando a nota defumada. Divino. E sim! O balcão tem a melhor caipirinha que você provou, além da Mezcladinha, feita com cachaça e mezcal, em porções iguais. Dá para morar ali.

Fiquei pensando na conveniência que é ter um restaurante desse nível no mesmo prédio do Consulado do Brasil em Londres. Melhor cartão de visitas não há.

 

O salão do Bossa, em Londres
O salão do Bossa, em Londres (divulgação/Divulgação)
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.