Imagem Blog

Carla Knoplech

Por Carla Knoplech, jornalista e especialista em conteúdo digital Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Continua após publicidade

Artista. Não (necessariamente) produtor de conteúdo

Quem vê os corações que chegam pela Live no Instagram por minuto, não vê a solidão que é cantar sozinha num quarto à noite sem receber aplausos no final

Por Carla Knoplech
Atualizado em 2 set 2020, 10h57 - Publicado em 1 set 2020, 20h35

Na falta de palco, teve Live. Ô se teve. Mas é que teve tanta Live que, uma hora, nem mesmo o público aguentou e a audiência das mesmas foi caindo com o passar dos meses. De março pra cá, cantore(a)s, dançarino(a)s, atrizes, atores, músicos, musicistas, percussionistas, artistas plásticos, pintore(a)s, entre outras diversas segmentações desse rico universo cultural que a arte nos proporciona foram diretamente afetados pela pandemia e viram todo o seu ano profissional ir por água abaixo. Sem previsão de retorno, com a necessidade urgente de se comunicar com o público e gerar renda, a solução foi tentar adaptar para a internet aquilo que antes era uma experiência presencial incomparável.

Rodas de samba gravadas à distância, cenas de teatro transmitidas para uma câmera, shows de fantoches gravados pelo celular, entre tantos outros formatos de apresentações que surgiram neste contexto pandêmico e tentaram driblar a completa falta de perspectiva de eventos com aglomerações, o apogeu do trabalho artístico. Mas quem vê os milhares de corações que chegam pela Live no Instagram por minuto, não vê a solidão que é cantar sozinha num quarto à noite sem receber aplausos no final. Quem vê as imagens de divulgação do festival organizado à distância, não vê o sufoco que é pingar algum dinheiro no crowdfunding para torná-lo viável. Está sendo árdua a missão dos artistas de se reinventarem neste momento e hoje a coluna é empaticamente em solidariedade a eles.

Artistas de todos os tipos tiveram que aprender, do dia para a noite, como produzir conteúdo nas redes sociais para continuar relevantes e descobrir rapidamente que a tarefa é muito mais difícil do que parece. A readequação de mundo que o Coronavírus nos trouxe fez com que as redes sociais fossem exploradas em velocidade máxima por pessoas que não tinham nenhuma intimidade com as palavras “engajamento” e “algoritmo” e precisaram aprender a usa-las como ferramenta de trabalho. Neste ínterim, o palco virou transmissão ao vivo, a audiência digital um controverso validador de sucesso e a equação de como monetizar toda essa presença digital passou a ser a pergunta de ouro.

Por outro lado, é preciso enxergar as oportunidades que essa grande crise trouxe para o setor. Quem tomou para si a tarefa de vir pra frente da câmera e vestir o personagem do criador de conteúdo descobriu um mar de oportunidades que serão incorporadas às habilidades artísticas para quando a pandemia passar. Em vez de cantar apenas para a bolha do seu público cativo na casa de shows de sempre, abriram-se as portas de todos os palcos do mundo. No lugar de uma comunicação digital pautada apenas na sua agenda de apresentações, descobriu-se a proximidade com o público conquistada por muito bate-papo ao vivo e respostas imediatas. Que a vacina venha e os novos criadores de conteúdo possam, assim como toda a população, voltar a dar seus shows.

Carla Knoplech é jornalista, fundadora da agência Forrest, de conteúdo e influência digital, consultora e professora

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.