Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
André Heller-Lopes Por André Heller-Lopes, diretor de ópera A volta do Dito Erudito

Quem é contra o tenor? Saiba mais sobre uma voz rara (ou falsa)

O contratenor Orliński apresenta-se no Municipal nesta quinta e, no dia 12, o soprano Gabriella Pace em uma 'noite francesa'

Por André Heller-Lopes Atualizado em 4 ago 2022, 14h46 - Publicado em 3 ago 2022, 22h32

Nesta quinta-feira a Dell’Arte traz ao Municipal do Rio uma estrela da lírica contemporânea: o contratenor polonês Jakub Orliński. Se houve um tempo em que o Rio de Janeiro era parada obrigatória das grandes estrelas internacionais da ópera, dança e música de concerto, agora o panorama é outro e essas raras ocasiões tem de ser motivos de celebração. Os antigos frequentadores do Municipal não cansavam de contar as histórias de Milanov, Nureyev ou Rubistein (e das jovens Callas e Tebaldi, em 1951). As gerações mais recentes, muito menos terão o que contar — com honrosas exceções: talvez Jessye Norman ou uma crepuscular Caballé (mas ainda cheia de glórias); Te Kanawa, fria feito um iceberg; Millo, gloriosa, nos anos 80, e lembrando a Santa Ceia de Da Vinci, em 2017. Ficou na memória Domingo ao lado do imenso Fernando Teixeira, Alicia de Larrocha ao piano, Celibidache regendo, às coreografias de Makarova e as sapatilhas de Zakharova, Platel, Bujones ou Bocca… Eram muitos.

Pausa para suspiros…

Sem saudosismo, o que a geração atual, que poderá testemunhar? Em 2019, a série Grandes Vozes, é verdade, trouxe ao Rio Oropesa, Pratt, Fabiano e Grigolo — e outras teriam vindo em 2020, não fosse a famigerada pandemia do Covid-19. Mas o projeto ficou parado. A pior constatação é a de que boa parte das vezes as estrelas que apresentam-se na América Latina, fazem apenas a ponte aérea São Paulo-Buenos Aires. Por sorte, bons ventos trazem alento: a DellArte (que sempre oferece grandes solistas instrumentais e cia. de dança) já trouxe em 2022 o estrelar tenor polonês Beczala, e agora brinda o Rio de Janeiro com o contratenor polonês Jakub Jozéf Orliński. Uma semana depois, o Theatro Municipal oferece um concerto de repertório todo francês, e pensado ao redor do talento do soprano Gabriella Pace. Cereja no bolo, esse espetáculo do dia 12 de agosto marca a estréia do carioca Felipe Prazeres como maestro titular da Orquestra do TMRJ. Há um bom bocado que celebrar!

Soprano Gabriella Pace
Soprano Gabriella Pace ./Divulgação

Mas, o que é um contratenor? Em que se difere do tenor ou do baixo? Do soprano ou do contralto (sim, assim mesmo no masculino, como é mais historicamente correto declinar o gênero)? Bom, a grosso modo trata-se um cantor masculino que usa seu falsete; com esse registro de voz, alcança um timbre e uma altura vocal semelhante ao do contralto ou meio-soprano. O cantor treina um som ‘falso’, dito “de cabeça” — mas há controvérsias. O countertenor da Inglaterra, confunde-se, na Itália, com o Alto e, na França, com o haute-contre — estilos muito diferentes um do outro, para gêneros ainda mais diversos. Uma curiosidade é que por vezes os contratenores floresceram na música sacra, porque proibíam-se mulheres de cantar nos cultos das igrejas católicas. O contratenor é, ainda, totalmente diferente do castrati — voz criada através da castração de meninos antes de passar pela mudança vocal da puberdade — e também do Sopranista. Essa última, voz mais aguda com alcance agudo de um soprano, pode ser percebida no jovem cantor brasileiro Bruno de Sá, que acaba de lançar seu primeiro CD na Europa.

Resumo da ópera: vale ultra à pena correr para escutar esse artista ‘barroco-pop’, com sua voz delicadamente planejada, e compará-lo a uma das melhores vozes naturais de soprano do Brasil, Gabriella Pace. De canja, para os que conseguem ocupar dois lugares ao mesmo tempo, uma excelente pedida é a ópera O doido e a morte, do português Alexandre Delgado, na Sala Cecilia Meirelles! Ó tortura de se deparar com dias excelentes programações no mesmo dia e hora! Coisas da programação lírica do Rio de Janeiro.

Por que raios essas coisas boas acontecem no mesmo dia?
Pausa para mais suspiros…

André Heller-Lopes,
Encenador e especialista em óperas, duas vezes Diretor Artístico do Municipal do Rio,
é Professor da Escola de Música da UFRJ

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês