Clique e assine por apenas 4,90/mês

Covid-19: Taxa de contágio da doença diminui no Rio

O índice, no entanto, ainda é alto no estado, diz UFRJ

Por Agência Brasil - 18 jun 2020, 16h57

O avanço da pandemia da covid-19 está começando a desacelerar na cidade do Rio de Janeiro e na Região Metropolitana, mas continua muito alto em outras regiões do estado. É o que apontam os dados do Covidímetro da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que mede a taxa de contaminação pela doença em regiões do estado.

Os dados, com data do dia 16 de junho e baseado no número de pacientes que começaram a ter os sintomas até 6 de junho, mostram que a velocidade de propagação da doença ficou em 1,03 na capital, considerado de risco moderado, e 1,35 para o estado, risco considerado alto.

+Estudo aponta Zonas Norte e Oeste com maior taxa de infecção por Covid-19

O número indica quantas pessoas, em média, cada paciente diagnosticado com o novo coronavírus contamina. No boletim anterior, de 8 de junho, a capital estava com taxa de 1,72 e o estado com 1,81.

Continua após a publicidade

O risco é considerado muito baixo se a taxa for menor do que 0,5 e baixo se ficar entre 0,5 e 1. Entre 0,9 e 1,2 o risco é moderado e é considerado alto entre 1,2 e 1,65. Se ficar entre 1,65 e 2, o risco é considerado muito alto e há indicação de lockdown se a taxa de reprodutibilidade da doença passar de 2.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Todas as regiões do estado estavam com a taxa acima de 2 em meados de maio e o indicador chegou a 5,5 no momento em que foi decretado o isolamento social, em março. Segundo a UFRJ, o isolamento foi tímido no estado, não atingiu em nenhum momento o patamar ideal de 70% para conter a pandemia.

Todas as regiões analisadas pela UFRJ apresentaram melhora no último boletim e apenas o Noroeste do estado está acima de 2 no momento, com 2,07. Continuam com risco muito alto a Região Norte, com taxa de 1,91, e a Região Serrana está no limite superior do risco alto, com 1,64.

Continua após a publicidade

Com a reabertura gradual do comércio e outras atividades econômicas, o professor do Programa de Engenharia de Sistemas e Computação do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe/UFRJ), Guilherme Horta Travassos estima que o reflexo no número de casos de covid-19 comece a acontecer cinco dias após o aumento da movimentação nas ruas.

+Alerj instala comissão especial do impeachment do governador Witzel

No último boletim, divulgado nesta quarta (17) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), o Rio de Janeiro registra 8 138 óbitos e 86 963 casos confirmados da covid-19, além de 1 147 óbitos em investigação.

 

Publicidade