Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Segurança: Rio tem recorde de estelionatos durante a pandemia

Dados são do ISP, que também traz boas notícias: estado registrou o menor índice de crimes violentos nos seis primeiros meses de um ano desde 1999

Por Cleo Guimarães 17 jul 2020, 11h41

As medidas restritivas adotadas desde 13 de março para combater a propagação da pandemia do coronavírus tiveram impacto direto nos crimes registrados no estado nos seis primeiros meses do ano. É o que indicam os dados divulgados nesta quinta (16) pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), que mostram, por exemplo, que o Rio registrou em 2020 o menor índice de crimes violentos nos seis primeiros meses de um ano desde 1999. Chama atenção, por outro lado, o aumento de 72% no número de estelionatos no mês de junho, em relação ao mesmo período de 2019: foram 5.210 casos – esse é o maior valor da série histórica, iniciada em 2003.

Luiza Brunet: ‘No Brasil, agressor de mulher só fica preso se matá-la’

Fechados em casa e com usuários acessando a internet maciçamente para fazer compras e transações (as vendas on-line aumentaram 209% em todo o mundo durante a pandemia), não é de se estranhar que  a proporção de casos de estelionatos virtuais também tenham apresentado um aumento significativo: comparado com o mesmo mês do ano passado, os casos em ambiente virtual passaram de 9,2% em junho de 2019 para 29,7% em junho de 2020.

Jovens lideranças das favelas dão exemplo na luta contra o coronavírus

De acordo com o ISP, os dados apresentaram redução de uma forma geral. Veja outros dados:

Homicídio doloso: 1.898 vítimas nos seis primeiros meses de 2020 e 256 em junho, valores representam o menor para o acumulado e para o mês desde 1991. Na comparação com o ano passado, o indicador apresentou queda de 9% em relação ao primeiro semestre do ano e de 23% em relação a junho.

Roubo seguido de morte (latrocínio): 40 vítimas nos seis primeiros meses de 2020 e duas em junho – esses valores representam o menor para o acumulado e para o mês desde 1991. Na comparação com o ano passado, o indicador apresentou 28 mortes a menos em relação ao primeiro semestre do ano e seis a menos em relação a junho.

Mário? Que Mário? Quem é o secretário da Cultura de Bolsonaro

Continua após a publicidade

Morte por intervenção de agente do Estado: 775 mortes nos seis primeiros meses de 2020 e 34 em junho. Na comparação com o ano passado, o indicador apresentou redução de 12% em relação ao primeiro semestre do ano e redução de 78% em relação a junho.

Roubo de carga: 2.556 casos nos seis primeiros meses de 2020 e 404 em junho. Na comparação com o ano passado, o indicador apresentou queda de 36% em relação ao primeiro semestre do ano e de 33% em relação a junho.

Roubo de veículo: 13.797 ocorrências nos seis primeiros meses de 2020 e 1.744 em junho. Na comparação com o ano passado, o indicador apresentou queda de 36% em relação ao primeiro semestre do ano e de 44% em relação a junho.

Roubo de rua (roubo a transeunte, roubo de aparelho celular e roubo em coletivo): 37.763 registros nos seis primeiros meses de 2020 e 4.385 em junho. Na comparação com o ano passado, o indicador apresentou queda de 42% em relação ao primeiro semestre do ano e de 54% em relação a junho.

Durante o período de isoalmento (de 13 de março a 30 de junho), o número de ligações para a Central de Atendimento do Disque Denúncia apresentou redução de 27,4% das denúncias de violência contra a mulher. As ligações recebidas pelo Serviço 190 referentes a crimes contra a mulher, no entanto, registraram um aumento de 12,5% em relação aos mesmos dias do ano passado.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Na análise mensal, o número de vítimas de feminicídio em junho de 2020 apresentou quatro vítimas a mais em relação ao mesmo mês do ano passado: 9 vítimas neste ano contra 5 no ano passado. O total de crimes com vítimas mulheres que foram registrados sob a Lei Maria da Penha teve um declínio de 24% em junho (4.191 em 2020 e 5.510 em 2019), porém, ao comparar com maio de 2020, houve um aumento de 34%. Os estupros com vítimas mulheres no mês de junho também registraram queda: 10%. Foram 319 vítimas mulheres em junho deste ano contra 354 em junho do ano passado. Em contrapartida, ao comparar com maio de 2020, o indicador apresentou aumento de 44%.

 

Continua após a publicidade
Publicidade