Continua após publicidade

Publicitário incentiva a leitura através de projeto inovador

Atitude transformadora: Leo Martinez fundou o movimento coletivo Leve. Livro Livre, que incentiva a doação de obras literárias pela cidade

Por Redação VEJA RIO Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 5 set 2017, 15h58 - Publicado em 1 set 2017, 20h34

Neto de uma escritora, Leo Martinez sempre viveu cercado de livros. Com incontáveis obras em casa, e praticamente sem espaço para colocar as novas, o publicitário decidiu praticar o desapego de forma inusitada. Durante uma viagem de metrô, deixou um de seus livros na estação. “Fiquei de longe olhando, e reparei que as pessoas estavam com medo de pegar o exemplar, achando que alguém o havia esquecido. Até que uma pessoa o entregou a um funcionário. Vi que acabaria esquecido no setor de achados e perdidos”, relembra o diretor de criação e um dos sócios da VZA Expomídia. Diante da ação frustrada, Martinez concluiu que, para compartilhar parte de sua biblioteca, teria de ser mais claro. Foi então que ele criou um marcador de páginas para deixar junto às suas doações, com o seguinte texto: “Esse livro está livre, livre para você aprender, se emocionar ou se inspirar. Ele estava preso numa estante e agora circula por aí. Leve ele para casa e usufrua o quanto quiser. Depois devolva-o de volta ao mundo para alguém poder aproveitar também”.

Durante três anos, o criador do movimento coletivo Leve. Livro Livre distribuiu, diariamente, publicações de sua biblioteca pelos quatro cantos da cidade, buscando, assim, engajar outras pessoas. “É muito simples participar, basta entrar na nossa página do Facebook, imprimir o marcador, colocá-lo dentro da obra que quer compartilhar e largá-la por aí”, explica o publicitário, que, aos poucos, está conseguindo envolver outros doadores. “O grupo ainda é pequeno, mas, há pouco tempo, recebi a foto de um livro deixado em São Paulo. É muito legal pôr a energia para girar e espalhar cultura”, comemora. Apesar de o projeto ter começado por causa da falta de espaço em sua casa, Martinez não tem dúvida de que a iniciativa é um importante instrumento de transformação social. “Não estudei nas melhores escolas nem tive as maiores notas, mas tenho certeza de que a leitura foi um diferencial na minha vida profissional. Por isso, quero que os livros mudem a vida de outras pessoas.”

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Tudo o que a cidade maravilhosa tem para te
oferecer.
Receba VEJA e VEJA RIO impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.