Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Prefeitura prevê liberar máscaras em locais fechados em 15 de novembro

Medida será tomada quando a cidade chegar a 75% da população total vacinada contra Covid-19. Índice está em 62%

Por Da Redação Atualizado em 26 out 2021, 12h10 - Publicado em 22 out 2021, 14h18

Nem bem o Rio alcançou 62% de sua população total vacinada, na noite desta quinta-feira (21) – em meio à expectativa de chegar a 65% na próxima terça (26), o que permitiria a liberação do uso obrigatório de máscaras em locais abertos -, e o prefeito Eduardo Paes já projeta para o dia 15 de novembro a aposentadoria deste equipamento de proteção à Covid-19 também em locais fechados. Segundo ele, nesta data o índice deverá ter chegado aos 75%, o equivaleria a 100% da população adulta com esquema vacinal completo, critério adotado pela prefeitura para implementar a medida.

Boa notícia: Rio tem menor número de casos de Covid-19 desde março de 2020

“Quando a gente chegar a 75% da população carioca vacinada, ou seja, praticamente 100% da população crítica imunizada, a gente vai permitir a liberdade de usar a máscara em locais fechados. Lá para o dia 15 de novembro, a gente quer chegar ao momento em que está ‘meio’ que tudo liberado”, disse Eduardo Paes à CNN nesta quinta-feira (21).

No início da semana, o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, disse a Veja Rio que vacinar 75% da população total significa imunizar 90% da população adulta. Ele já previa a chegada deste momento para novembro. E informou que a partir dai as máscaras não precisarão ser usadas obrigatoriamente em lugares fechados, exceto no transporte público e em unidades de saúde.

Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Até agora 4.186.929 cariocas estão totalmente imunizados contra a doença. Além disso, 5.722.801 tomaram apenas a primeira dose. O prefeito observou que tanto a liberação do uso de máscaras em locais fechados quanto em locais abertos (de acordo com o avanço do índice de vacinação previsto pelo Comitê Científico da prefeitura) só não acontecerão em caso de alguma decisão judicial em contrário ou piora nos índices da pandemia.

“O mundo inteiro estabeleceu, a partir da vacinação, a abertura. Nós temos critérios objetivos”, afirmou Paes.

Continua após a publicidade

Publicidade