Continua após publicidade

As mudanças no treinamento da polícia após mortes de crianças em ações

‘Protocolo é não atirar’, anuncia comandante da PM; primeira turma de militares já na semana que vem será treinada para 'identificar erros da abordagem'

Por Da Redação
15 ago 2023, 12h40

Três dias após a morte de uma menina de 5 anos e de um adolescente de 17 em uma ação policial no Morro do Dendê, o secretário estadual de Polícia Militar, coronel Luiz Henrique Pires, anunciou mudanças no treinamento dos agentes da corporação. Em entrevista ao Bom Dia Rio, nesta terça (15), o comandante da PM disse lamentar as mortes recentes. “O protocolo é não atirar”, afirmou.

+ Prefeitura do Rio ganha disputa judicial por concessão do Jardim de Alah

Numa primeira turma, na semana que vem, 16 militares passarão por um “acompanhamento mais de perto” para “identificar os erros da abordagem”. “Era um treinamento preventivo por que toda a tropa passava. Mas, agora, quem se envolver nesse tipo de ocorrência vai ser obrigado a passar, e a gente vai dar um tratamento diferenciado a esse policial que se envolveu nessa ocorrência”, detalhou Pires. Ainda segundo ele, haverá conversas diárias nos batalhões, as chamadas preleções “A gente está intensificando as instruções em cima dos nossos protocolos. Palestras vão ser intensificadas, treinamentos vão ser intensificados sempre, procurando condicionar melhor o nosso policial militar”, acrescentou.

Nos últimos dias, três menores de idade foram mortos em ações da PM — além de Eloah Passos, de 5 anos, e de Wendell Eduardo, de 17 anos, no Dendê, também Thiago Menezes, de 13 anos, na Cidade de Deus. Em 2023, até esta segunda (14), o Instituto Fogo Cruzado tinha mapeado 16 crianças (até 12 anos incompletos) baleadas na Região Metropolitana do Rio: sete morreram e nove ficaram feridas. Em 2022, nesse mesmo período, cinco crianças foram baleadas: duas mortas e três 3 feridas.

Continua após a publicidade

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

“A gente lamenta muito os fatos que aconteceram. É um momento de profunda tristeza da corporação. Tenho certeza de que nenhum policial militar sai de casa, beija seu filho de manhã e sai para a rua para trabalhar com essa intenção”, afirmou o comandante da PM. Ainda segundo ele, não existe no manual da corporação nenhum tipo de orientação para que, a partir do momento que o motorista de um carro não pare em uma abordagem, seja feito qualquer tipo de disparo: “A orientação é cercar, é comunicar via rádio. Isso foi cobrado ontem dos comandantes”. Ele falou também sobre as câmeras corporais. Nós temos hoje 9.500 câmeras já implantadas. A nossa previsão é que todo o efetivo já esteja com o equipamento no final de 2023, no mais tardar no início de 2024.O processo de implantação é complexo, porque demanda uma análise dos locais de instalação, como parte elétrica e internet. Toda uma estrutura precisa ser vistoriada e até adaptada para que possa receber as câmeras”, explicou.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Tudo o que a cidade maravilhosa tem para te
oferecer.
Receba VEJA e VEJA RIO impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.