Clique e assine por apenas 3,90/mês

MPF pede que Orlando Diniz continue preso em função de planilha

No documento, empresário contabilizava valores da Fecomércio roubados para si

Por Redação Veja Rio - Atualizado em 2 mar 2018, 20h10 - Publicado em 2 mar 2018, 19h29

A descoberta de uma planilha com uma coluna nomeada “outros gastos 10%” motivou o Ministério Público Federal a pedir a Justiça que mantenha preso Orlando Diniz, presidente da Federação do Comércio do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ). Ele está detido desde o último dia 23.

De acordo com o órgão, o empresário contabilizaria no documento descoberto os valores que roubava para si nos projetos da entidade. Além disso, outro motivo para o pedido de manutenção da prisão pelo MPF foi o fato do apartamento de Diniz estar vazio no momento das buscas, o que poderia indicar ocultação de provas por parte dele.

Diniz é acusado de fazer parte de um esquema de lavagem de dinheiro mantido pelo ex-governador Sérgio Cabral. Segundo as investigações, o empresário teria lavado recursos da Fecomércio e empregado funcionários fantasmas na organização.

Continua após a publicidade
Publicidade