Clique e assine por apenas 4,90/mês

A imagem da mulher negra com grilhão no pescoço e mordaça está diferente

Artista carioca interferiu na obra Monumento à Voz de Anastácia e sua criação foi incluída nos livros didáticos das mais de 200 escolas da rede Eleva

Por Pedro Tinoco - Atualizado em 14 ago 2020, 19h30 - Publicado em 14 ago 2020, 07h00

O artista carioca Yhuri Cruz, 29 anos, livrou um ícone do peso de dois séculos de suplício. Na obra Monumento à Voz de Anastácia (santinho), Cruz interfere sobre a imagem da mulher negra com grilhão no pescoço e mordaça, pintada em 1817 pelo francês Jacques Etienne Arago.

+Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

O retrato de indizível violência é símbolo do culto à escrava Anastácia, com devotos nas religiões católica e de matriz africana, celebrado tanto na Igreja do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos, no Centro, quanto nos centros e terreiros.

+As novidades para a comemoração dos 10 anos da ArtRio

Em sua criação, Cruz livra Anastácia dos instrumentos de tortura e torna visível um leve sorriso. Seu gesto de reparação histórica chegou às salas de aula: a obra foi incluída nos livros didáticos das mais de 200 escolas da rede Eleva.

+Cineasta volta à realidade das milícias em série gravada na Zona Norte

Continua após a publicidade
Publicidade