Clique e assine por apenas 4,90/mês

Militares começam a patrulhar pontos do Centro e da Zona Sul

Entre os locais selecionados, estão a orla de Copacabana e a região da Candelária

Por Redação Veja Rio - Atualizado em 27 mar 2018, 12h42 - Publicado em 27 mar 2018, 12h41
Saulo Pereira Guimarães/Veja Rio

Militares das Forças Armadas, da Força Nacional, da Polícia Militar e integrantes da Guarda Municipal começaram a patrulhar nesta terça (27) pontos estratégicos do Centro e da Zona Sul do Rio. Entre os locais selecionados, estão a orla de Copacabana e a região da Candelária, no Centro.

Na praia de Botafogo, por volta de 11h30, pelo menos 5 integrantes da Polícia do Exército estavam baseados em frente ao shopping. Armados com fuzis, os soldados de uniforme camuflado contavam com apoio de 2 viaturas localizadas do outro lado da rua. Na noite da última segunda (22), o centro comercial foi um alvo de uma tentativa de assalto que terminou em troca de tiros. Os bandidos entraram no local vestidos de faxineiros e tinham como alvo uma joalheria no segundo piso. Após duas horas de buscas, ninguém foi preso.

Inicialmente pensada como para reformular a gestão da área de segurança no estado do Rio, a Intervenção Federal mudou de rumos após acontecimentos recentes. No último dia 14, um ataque a tiros no Estácio matou a vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes. No último fim de semana, tiroteios deixaram 8 mortos na Rocinha e uma chacina em Maricá vitimou 5 jovens. Uma pesquisa divulgada no domingo pelo Datafolha apontou que 76% dos cariocas apóiam a intervenção, mas 70% deles não exergaram redução significativa da violência desde o começo da ação, em 16 de fevereiro.

Publicidade