Continua após publicidade

Milícia que domina a Zona Oeste tem fornecedor de armas dos EUA

Estrutura organizada do grupo do miliciano Zinho chamou atenção do MP e da PF; comerciante da Rocinha com residência no exterior seria o intermediário

Por Da Redação
Atualizado em 29 ago 2022, 13h27 - Publicado em 29 ago 2022, 13h27

Os milicianos cariocas estão importando armas dos Estados Unidos. Com um estrutura bem organizada, a milícia de Luis Antonio da Silva Braga, o Zinho, chamou atenção do Grupo de Atuação Especializada do Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio (MPRJ) e da Polícia Federal. Além de tarefas definidas, com pelo menos 23 criminosos se dividindo nas funções, do comando-geral à chefia de cada setor do bando. Segundo os investigadores, a compra de armas para a organização criminosa teria como intermediário um comerciante da Rocinha, suspeito de negociá-las principalmente com fornecedores americanos.

+ O tempo virou: nova frente fria faz temperatura cair para 14 graus no Rio

A informação consta de documentos que serviram de base para policiais e promotores desencadearem a Operação Dinastia, na semana passada, contra a maior milícia em operação no estado. Segundo a promotoria, a investigação revelou que a milícia de Zinho tinha acesso a banco de dados da polícia. O comerciante que vem intermediando a compra de armas seria Patrick da Silva Martins, proprietário de um bar na Rocinha. De acordo com a representação do MPRJ, Patrick faz constantes viagens ao exterior. Por conta das suspeitas, a casa dele, em Campo Grande, na Zona Oeste da cidade, foi alvo de mandado de busca e apreensão, onde foram recolhidas mais provas.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade

Patrick, inclusive, estava nos Estados Unidos, onde também teria residência, quando aconteceu a operação. Por meio de troca de mensagens com os demais integrantes da quadrilha, ele enviou informações técnicas sobre uma pistola usada por forças policiais da Turquia para um dos membros do bando, segundo os investigadores. Cada unidade custaria 12,5 mil dólares e haveria a disponibilidade de pelo menos 18 pistolas. Uma foto da arma, dentro do estojo, chegou a ser enviada por mensagem. O comerciante da Rocinha é citado em um diálogo entre um integrante da quadrilha identificado pelo apelido de Azeitona e Rodrigo dos Santos, o Latrell, que, até ser preso em São Paulo em março deste ano, era considerado o número dois do bando.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.