Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O novo Maracanã: estádio fechará por 80 dias para reforma após o fim do Brasileirão

Estádio terá gramado híbrido: grama sintética usada ao lado da natural, a ser plantada no campo de jogo

Por Da Redação Atualizado em 6 dez 2021, 14h06 - Publicado em 6 dez 2021, 14h05

O Maracanã ficará fechado por cerca de 80 dias, após o fim do Campeonato Brasileiro. A empresa que gere o estádio vai reformar o campo de jogo para a temporada de 2022. A principal novidade será a inclusão de grama sintética. O material artificial fará companhia ao gramado natural, que também sofrerá mudanças: em vez da instalação de rolos de grama – como acontece desde 2013, quando o estádio foi reaberto -, a ideia é voltar a plantar mudas no campo de jogo. Isso porque a grama natural, plantada, tem capacidade de recuperação mais rápida depois das partidas do que o gramado de rolo.

De acordo com entrevista ao Globo de Severiano Braga, CEO do Maracanã, a proporção será de 90% de grama natural e 10% da sintética, a ser “costurada” pela empresa suíça GrassMax Systems”. Para completar, a inclusão da grama sintética aumentará a qualidade da grama natural, uma vez que as perfurações no solo para a “costura” do gramado artificial criam pequenos canais que aumentam a absorção de água e nutrientes.

+ Carnaval 2022: com avanço da variante Ômicron, passaporte da vacina será exigido na Sapucaí

A mudança tem como objetivo diminuir os problemas com o gramado do Maracanã, alvo de críticas recorrentes devido ao seu estado. A reforma deverá custar entre 3 milhões e 4 milhões de reais, bancados pela empresa responsável pela gestão do estádio, criada por Flamengo e Fluminense depois que os clubes assumiram a concessão do estádio. A ideia é finalizar o trabalho a tempo de o Maracanã receber a decisão do Campeonato Carioca de 2022.

“Vamos retirar entre 10cm e 15cm de terra. Depois, vamos entrar com a areia, fazer o caimento, e realizar o plantio da grama. Em seguida, é colocar água, adubo e esperar crescer”, explicou Braga.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Entre algumas dificuldades estruturais — parte do gramado passa cinco meses por ano na sombra e a falta de sol atrapalha o crescimento da grama —, o que mais prejudica o campo de jogo é a maratona de partidas a que ele é submetido. Segundo Severiano Braga, o Maracanã recebeu 70 partidas em 2021. O número é grande por ser onde Flamengo e Fluminense mandam suas partidas. São Januário, casa do Vasco, e Nilton Santos, estádio do Botafogo, receberam na temporada 45 e 48 jogos, respectivamente, no levantamento da empresa que gere o estádio. Quando comparado a estádios estrangeiros, a diferença é ainda maior: Camp Nou, casa do Barcelona, recebeu 22 partidas em 2021. O Anfield, estádio do Liverpool, 25. Isso ajuda a explicar a diferença na qualidade do gramado.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês