Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Fim de caso: Justiça declara que Palácio Capanema não pode ser vendido

Tombamento pelo Iphan, em 1948, impede negociação do imóvel pela União; caso chegou à Justiça em setembro de 2021, quando edifício quase entrou em leilão

Por Da Redação 17 Maio 2022, 13h53

A Justiça Federal bateu o martelo: o tombamento do Palácio Gustavo Capanema impede que a União possa vendê-lo. Em fevereiro deste ano, a Justiça já havia concedido uma liminar para que a União fosse impedida de ofertar e aceitar qualquer proposta de compra do edifício – que fica na Rua da Imprensa, no Centro do Rio -, sob pena de multa diária de 5 mil reais. Na decisão, a juíza registrou que a União confessava que o parecer que fundamentaria a venda estaria em vigor e que a possibilidade de venda continuava em discussão internamente. O tombamento de um patrimônio é o ato de reconhecimento do valor histórico, artístico ou cultural de um bem, transformando-o em patrimônio oficial público.

+ Cidade nova: mais um hotel, desta vez no Catete, será transformado em residencial

Antes de o caso ir à Justiça, em setembro do ano passado, foi feita uma recomendação pelo Ministério Público Federal à União de que o Palácio Gustavo Capanema não fosse vendido à iniciativa privada. A recomendação foi encaminhada à Secretaria de Patrimônio da União e à Secretaria de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, que informaram que, no entendimento do Governo Federal, a venda de imóveis tombados à iniciativa privada é permitida, mesmo diante da legislação do tombamento.

+ Novos ares: como ficará a Quinta da Boa Vista após obras de revitalização

Diante do risco de venda do imóvel, em novembro do ano passado, o MPF ingressou com uma ação para impedir qualquer negociação. A ação teve como resultado um inquérito civil público, que investigou a notícia da possível venda do edifício, em um “feirão de imóveis” promovido pela União.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

O valor histórico, cultural e arquitetônico do Palácio Gustavo Capanema, marco da arquitetura moderna brasileira, foi reconhecido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no tombamento, realizado em 1948.  Ícone do Modernismo, o prédio – projetado por uma equipe que reunia nomes como Lucio Costa, Le Corbusier, Oscar Niemeyer e Affonso Eduardo Reidy – foi inaugurado em 1945 por Getúlio Vargas e sediou o antigo Ministério da Educação e Saúde. Hoje, abriga em seus 16 andares uma biblioteca pública, uma sala de espetáculos, parte do acervo da Biblioteca Nacional e as superintendências de órgãos culturais. Além da proteção pelo tombamento em nível federal, o Palácio Capanema integra, desde 1996, a lista indicativa do Brasil para reconhecimento como patrimônio mundial pela Unesco.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)