Clique e assine por apenas 3,90/mês

Hospital de Campanha do Parque dos Atletas começa a ser desativado

Últimos dois pacientes tiveram alta nesta segunda (7)

Por Agência Brasil - 8 set 2020, 11h10

O Hospital de Campanha do Parque dos Atletas, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, deu alta nesta segunda (7) a seus dois últimos pacientes e começará a ser desativado, segundo a Rede D’or, responsável por sua gestão. A unidade foi montada exclusivamente com recursos privados como parte da resposta à pandemia de covid-19 e atendeu a 621 pacientes.

+Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

A unidade atendeu apenas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e fechará as portas seguindo a programação inicial de funcionar por quatro meses. O hospital foi inaugurado em 11 de maio, em meio ao pico da pandemia e ao atraso na entrega dos sete hospitais de campanha que haviam sido prometidos pelo governo do estado.

+Governador do Rio prorroga medidas restritivas até 20 de setembro 

Segundo a Rede D’Or, 90% dos internados que chegaram à unidade precisaram em algum momento de leitos de terapia intensiva. Entre eles, 199 chegaram a ficar no respirador mecânico e 104 precisaram de diálise.  Os pacientes atendidos pelo hospital vieram de 27 municípios do  Rio de Janeiro, transferidos de 106 unidades públicas de saúde.

Continua após a publicidade

+Covid-19: UFRJ desenvolve teste sorológico que custa menos de R$ 5 

Para marcar o fechamento do hospital e homenagear as vítimas da covid-19, profissionais da unidade devem realizar um minuto de silêncio e soltar balões brancos nesta terça (8), quando começará a desativação.

Devido à alta demanda, o hospital teve o número de leitos de UTI ampliado. Na inauguração, a unidade operava com 150 leitos de enfermaria e 50 de UTI, mas 50 vagas do primeiro grupo precisaram ser readequadas para atender aos casos mais graves.

O investimento privado para montar a unidade foi de R$ 62 milhões, valor que foi investido por um grupo de empresas lideradas pela Rede D’or.

Com o fechamento do hospital, encerram-se as atividades dos hospitais de campanha construídos pela iniciativa privada no Rio de Janeiro. Em agosto, o Hospital de Campanha do Leblon, na Zona Sul, também encerrou suas atividades após um período de funcionamento de quatro meses.

+Coronavírus: Rio tem aglomeração em praias – e isso não surpreende ninguém 

Continua após a publicidade
Publicidade