Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Pezão diz que vai reocupar Complexo do Alemão

Nova invasão do local deve acontecer após mortes na região

Por Redação Veja Rio Atualizado em 5 dez 2016, 12h16 - Publicado em 6 abr 2015, 18h54

As unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) do Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, terão aumento do contingente. O anúncio foi feito nesse domingo (5) pelo governador Luiz Fernando Pezão. Segundo ele, o estado vai “entrar mais forte, fazer uma reocupação” da comunidade.

Mais difícil que o Haiti: manter a ordem nos complexos do Alemão e da Penha virou um gigantesco desafio 

+ PM do Rio inicia a ocupação da Favela da Maré

+ Risco de comunidades atendidas pelas UPPs será determinado por cores

O Complexo do Alemão foi inicialmente ocupado pelo Exército em novembro de 2010, com ampla cobertura da imprensa brasileira e internacional. Imagens de criminosos armados fugindo do conjunto de favelas rodaram o mundo. Na época, as autoridades estaduais afirmaram que tinham levado paz à comunidade.

No mesmo mês, o então comandante da Polícia Militar, Mário Sérgio Duarte, chegou a dizer que a PM tinha vencido. O governador à época, Sérgio Cabral, afirmou que com a ocupação do Alemão, o governo estava “virando uma página na história do Rio”. O Exército permaneceu até 2012, quando a ocupação passou a ser feita pelas UPPs.

Logo nas primeiras semanas de ocupação militar, houve tiroteios e assassinatos no conjunto de favelas. Oficiais do Exército e da polícia observaram que homens armados nunca deixaram de controlar pontos da favela.

Desde a instalação das UPPs na região, foram comuns pedidos de ajuda para unidades de elite da PM, como o Batalhão de Choque e o Batalhão de Operações Especiais (Bope).

Na última semana, o menino Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos, morreu baleado em um tiroteio envolvendo a polícia. Seu corpo foi levado ontem para o Piauí, onde será enterrado (com conteúdo Agência Brasil). 

Continua após a publicidade
Publicidade