Clique e assine por apenas 4,90/mês

Coronavírus: Riotur estuda modelos para Réveillon ‘virtual’

De acordo com o órgão, queima de fogos e shows estão mantidos, mas celebração deve se ancorar na internet para evitar aglomerações

Por Marcela Capobianco - Atualizado em 27 jul 2020, 11h35 - Publicado em 27 jul 2020, 11h30

Após um burburinho nas redes sociais causado por um possível cancelamento da festa de Réveillon de 2021 pela prefeitura, a Riotur reiterou que a festa está mantida, mas passará por algumas alterações por causa da pandemia do novo coronavírus. O modelo, provavelmente, vai se ancorar na internet para evitar aglomerações.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

De acordo com o órgão, a tradicional queima de fogos na praia de Copacabana está mantida, mas com restrição de público. No entanto, a prefeitura e a Riotur ainda não bateram o martelo sobre como será a festa da virada de ano.

+ Prefeitura antecipa feiras de adoção de animais por conta da pandemia

“O modelo tradicional que conhecemos e que praticamos na cidade há anos, assim como o Carnaval, não é viável no cenário de pandemia, sem a existência de uma vacina. É preciso ressaltar que o Réveillon não é um evento rígido, e pode acontecer de diversas formas, que não apenas reunindo 3 milhões de pessoas na Praia de Copacabana”, informou a nota da empresa de turismo do município enviada à imprensa neste fim de semana.

Continua após a publicidade

+ Sambódromo passará por obras cujo orçamento é de 8 milhões de reais

A construção de modelos alternativos ao Réveillon convencional vem sendo planejado pela Secretaria de Turismo e pela Riotur em conjunto com Alfredo Lopes, presidente do Hotéis Rio e do Conselho Deliberativo da Associação de Hotéis do Rio de Janeiro. As ideias de formatos têm como base conversas tidas com representantes de vários setores que normalmente são envolvidos na festa.

Neste domingo (26), o prefeito Marcelo Crivella revelou que precisou acalmar os ânimos do setor hoteleiro após as notícias que circularam sobre o cancelamento das celebrações. “O pessoal dos hotéis e dos restaurantes me ligou bravo… Sem vacina ou um remédio eficiente para a Covid-19 não será possível fazer o Réveillon nos moldes convencionais, mas estamos definindo, com apoio desses setores, uma forma de comemoração virtual”.

+ Jovens líderes de favela dão exemplo na luta contra a Covid-19

O alcaide não explicou, no entanto, o que é uma forma ‘virtual’ de celebrar a virada de ano.

A Riotur esclarece ainda que não houve uma definição sobre o formato da festa da virada. Portanto, a queima de fogos, os shows e projetos de iluminação que costumam ocorrer no Réveillon ainda estão mantidos.

Continua após a publicidade
Publicidade