Clique e assine por apenas 4,90/mês

Comunidade judaica segue dividida por causa de Jair Bolsonaro

Nesta sexta (24), começou a circular na internet um vídeo de protesto do ator judeu Jitman Vibranovski contra palestra do deputado federal no Clube Hebraica

Por Daniela Pessoa - Atualizado em 24 mar 2017, 18h27 - Publicado em 24 mar 2017, 18h12

A comunidade judaica segue rachada na cidade desde que o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) foi convidado para dar palestras no clube Hebraica do Rio e de São Paulo. Na capital paulista, houve até abaixo-assinado para barrar o seminário. Por aqui, o cineasta Silvio Tendler lançou uma campanha na internet batizada de #NãoemNossoNome, em que convoca os judeus a não dar espaço ao deputado pelo fato de ele pregar a discriminação. Nesta sexta (24), começou a circular nas redes sociais e em grupos de mensagens instantâneas um vídeo de protesto gravado pelo ator judeu Jitman Vibranovski, que integrou o elenco do elogiado espetáculo teatral Um Violinista No Telhado (2012), entre outros trabalhos no teatro, na televisão e no cinema.

No filmete, acompanhado da hashtag #NãoemNossoNome, Vibranovski simula um diálogo: “Que convite é esse que chegou da Hebraica Rio, Sara? Hebraica Rio convida deputado que falou que todo judeu é cristão, que homenageou o maior torturador do Brasil, que prefere filho morto do que filho gay”, indaga relembrando as polêmicas de Bolsonaro. A afirmação de que os judeus são cristãos, aliás, foi feita pelo político numa entrevista a VEJA RIO em que o deputado diz não se considerar um homem preconceituoso: “Esse negócio de que sou homofóbico, racista, fascista e misógino é coisa de gente sem cérebro”, disparou.

Assista ao vídeo de Vibranovski.

Publicidade