Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Rio é a primeira cidade da América Latina a assinar termo para reduzir combustíveis fósseis

Acordo foi firmado em uma reunião na terça (28) com o grupo C40, às vésperas da Conferência das Nações Unidas Sobre Mudanças Climáticas (COP26)

Por Luiza Maia Atualizado em 27 out 2021, 14h02 - Publicado em 27 out 2021, 14h01

A cidade do Rio firmou um novo compromisso nesta terça (26) com foco na sustentabilidade. Em uma reunião com o C40, grupo que reúne grandes cidades globais no combate às mudanças climáticas, o prefeito Eduardo Paes assinou uma declaração para reduzir os investimentos a empresas de combustíveis fósseis, como carvão mineral, petróleo e gás natural, considerados mais poluentes.

+ Alta do combustível faz 15% dos motoristas de aplicativo devolverem carros alugados no Rio

A medida foi tomada às vésperas da Conferência das Nações Unidas Sobre Mudanças Climáticas (COP26), que será realizada entre os dias 1 e 12 de novembro em Glasgow, na Escócia. O evento contará com a presença de lideres de 200 países para discutir e definir de ações a fim de conter o aquecimento global.

Sendo a primeira cidade da América Latina a aderir ao compromisso, a capital fluminense se une a outros 70 países e mais 1 484 instituições públicas e privadas na assinatura da Declaração de Desinvestimento de Combustíveis Fósseis. 

+ Crime ambiental: em três anos, milicianos desmatam o equivalente a duas Urcas

Continua após a publicidade

A reunião virtual contou com a participação dos presidentes das fundações de filantropia Ford e Ellen MacArthur, representantes do Vaticano e de redes de ação climática.

Durante o encontro, Paes declarou que o Rio aplicará R$ 5,4 bilhões para investimento em saneamento básico, educação, saúde e mobilidade urbana. A verba vem do leilão da concessão da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae).

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Desenvolvimento Sustentável

Além deste compromisso, o Rio também possui outras metas de combate às mudanças climáticas, estabelecidas pelo Plano de Desenvolvimento Sustentável e Ação Climática (PDS).

Anunciado em junho de 2021 pela prefeitura, o documento estabelece objetivos para serem atingidos à curto prazo, como a redução de 20% da emissão de gases do efeito estufa até 2030, e longo prazo, como a neutralização das emissões até 2050.

Continua após a publicidade

Publicidade