Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Retomada do Centro: cai o número de estabelecimentos comerciais fechados

Pesquisa da Fecomércio aponta que o mês de julho teve o saldo mais positivo do ano, com 137 espaços inaugurados e 69 sendo encerrados

Por Luiza Maia Atualizado em 14 set 2021, 17h24 - Publicado em 14 set 2021, 17h11

Após vários meses registrando um número alto de estabelecimentos comerciais fechando as portas por causa da pandemia do novo coronavírus, o Centro do Rio teve, em julho, o menor número de lojas encerrando as atividades desde março de 2020.

+ Aplicativo mapeia terreiros e grupos de religiões afro-brasileiras no Rio

De acordo com uma pesquisa da Fecomércio, 137 novos negócios aportaram na região e 69 lojas deixaram de funcionar definitivamente.

O balanço positivo é reflexo da recuperação dos últimos meses. Em maio, por exemplo, 195 endereços foram inaugurados e 173 fechados (saldo de 22), e em junho 193 foram abertos e 146 encerrados (saldo de 47). De janeiro a abril, o número de lojas e restaurante fechados foi maior que o número de novos negócios no Centro.

+ A Águia renasce: quadra da Portela reabre com show da Velha Guarda

Continua após a publicidade

O levantamento foi realizado a partir dados da Receita Federal, considerando os estabelecimentos do comércio de bens, serviços e turismo dos bairros da região central da cidade, com exceção dos microempresários individuais e do setor público.

“O Centro do Rio vinha perdendo estabelecimentos há alguns anos e a pandemia acelerou esse processo. Mas agora nós vemos uma retomada e a consolidação desse crescimento na região, que deve continuar no segundo semestre de 2021 e principalmente em 2022”, afirma o diretor do Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (Ifec) João Gomes.

+ Alô, Ramos! Bar da Portuguesa é o mais novo Patrimônio Cultural do Rio

De acordo com um estudo realizado em 2020 pelo IFec, a pandemia e o desordenamento urbano foram dois dos principais desafios apontados por empresários da região no último ano.

“Com o avanço da vacinação na cidade e a diminuição da informalidade, essas preocupações foram consideravelmente reduzidas, contribuindo para a melhora do cenário”, explica João Gomes.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade