Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Casal é impedido de vacinar porque… usava camisa contra Bolsonaro

Local da imunização era o quartel do Corpo de Bombeiros, na Barra; comandante diz que abrirá sindicância para apurar o que houve

Por Da Redação 13 jul 2021, 13h20

A mensagem contra Jair Bolsonaro que o professor Luiz Carlos de Oliveira e a pedagoga Dirlene de Oliveira estampavam em suas camisas por pouco não os impediu de receber a segunda dose da vacina AstraZeneca, nesta segunda (12). Eles foram avisados por um militar que, por ordem do comando, não seriam ser imunizados no quartel dos Bombeiros da Avenida Ayrton Senna, na Barra, se não trocassem de roupa.

Dias Ferreira: advogado agredido por Guarda Municipal quebrou a mandíbula

Na camisa estava escrito “A segunda dose da vacina nos livra da Covid-19. O que nos livrará dos ‘Bolsovírus’ será o impeachment ou o seu voto em 2022.” Para serem imunizados, o professor virou sua camisa ao contrário ali mesmo na fila e a mulher tirou a blusa com as palavras de protesto – ela estava com outra por baixo.

A imagem mostra um casal vestindo camiseta com mensagem anti-Bolsonaro
Luiz Carlos e Dirlene: mensagem estampada na camisa causou incômodo no Corpo de Bombeiros Reprodução/Reprodução

Procurado por VEJA RIO, o secretário de Estado de Defesa Civil e comandante-geral do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio, coronel Leandro Monteiro, diz que é “a favor da liberdade de expressão” e afirma que a corporação vai abrir uma sindicância para apurar os fatos.

Irmã de Pedro Dom critica série da Amazon: “Lucro com a nossa tragédia”

O Corpo de Bombeiros reiterou que “não existe uma determinação oficial do comando da corporação que proíba este tipo de manifestação por parte de civis em nenhum dos quartéis que abriram as portas para vacinação”.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade