Clique e assine por apenas 4,90/mês

Câmara aprova MP que desonera materiais destinados aos Jogos

Benefício foi concedido a equipamentos e materiais destinados à Olimpíada e à Paralimpíada e às distribuidoras de energia elétrica responsáveis pelo suprimento temporário de energia nas áreas dos jogos

Por Agência Brasil - Atualizado em 5 dez 2016, 11h27 - Publicado em 2 mar 2016, 19h23

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça (1º) a Medida Provisória (MP 693/15) que estende várias desonerações tributárias federais concedidas a equipamentos e materiais destinados à Olimpíada e à Paralimpíada de 2016 às distribuidoras de energia elétrica responsáveis pelo suprimento temporário de energia nas áreas dos jogos. Os Jogos Olímpicos e Paralímpicos serão realizados em agosto e setembro, no Rio de Janeiro.

Pela proposta, as desonerações valem para as distribuidoras e suas contratadas somente quando os bens e serviços forem empregados diretamente na “infraestrutura e na operação dos sistemas de controle, gestão, monitoramento e supervisão necessárias ao fornecimento de energia elétrica”.

+ Duas instalações olímpicas são inauguradas em Deodoro

+ Os desafios do Rio para ser o centro do mundo durante a Olimpíada

+ Ministro diz que locais da Olimpíada não ficarão ociosos após os Jogos

+ Entorno das arenas olímpicas tem problemas de acessibilidade

Segundo o texto, o benefício se aplica “à realização de obras de construção civil, elétrica e eletromecânica, inclusive sob regime de empreitada global; prestação de serviços, inclusive com o fornecimento de bens, equipamentos, partes e peças; prestação de serviços de operação dos sistemas de controle, gestão, monitoramento e supervisão do fornecimento de energia temporária; e aquisição e aluguel de máquinas, equipamentos e materiais”.

As isenções para as distribuidoras de energia valem para as empresas que atuarão no Rio de Janeiro e nas cidades-sede da modalidade futebol (São Paulo, Belo Horizonte, Salvador, Brasília e Manaus). As desonerações não recaem sobre o Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IPRJ) e Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL).

O texto aprovado foi o relatório do deputado Manoel Júnior (PMDB-PB).

A principal polêmica envolvendo a votação ficou por conta de uma alteração no texto original que estendia o porte de arma às carreiras da Receita Federal. A comissão mista que analisou a medida estendeu também o porte aos oficiais de Justiça, aos peritos criminais, aos auditores do Trabalho e aos fiscais federais agropecuários.

Por 245 votos a 193, os deputados aprovaram um destaque do PPS que excluiu do texto a ampliação do porte. O texto segue agora para o Senado.

Publicidade