Clique e assine por apenas 4,90/mês

Isolamento faz carioca buscar formas alternativas de comemorar aniversário

Os velhos carros de telemensagens voltaram à cena e passaram a circular pela Zona Sul da cidade

Por Marcela Capobianco - Atualizado em 22 Maio 2020, 19h10 - Publicado em 1 Maio 2020, 08h00

A Lagoa, na Zona Sul do Rio, estava irreconhecível em uma dessas tardes de sábado. Com a quarentena, a Fonte da Saudade, em geral engarrafada de carros e gente, era um marasmo só. Ouve-se o farfalhar das copas das árvores e, quem diria, dá ainda para apreciar o canto de um passarinho. Até que um nada discreto Chevrolet Agile vermelho todo adesivado, adornado por balões multicoloridos e corações de pelúcia, dobra a esquina com o porta-malas aberto, onde pulsam quatro potentes caixas de som. O silêncio se rompe abruptamente no embalo do Parabéns da Xuxa, clássico dos anos 80 e 90. As pessoas correm às varandas e janelas para entender o que está acontecendo. Simples: é aniversário de uma vizinha e as amigas decidiram comemorar a data enviando de presente um carro de som. “A gente já cansou dos encontros por videoconferência. Todo mundo fala ao mesmo tempo e ninguém se escuta. Resolvemos então inovar”, explica a empresária Juliana Saboya, dona da sorveteria Mil Frutas e uma das agitadoras da surpresa que faz a memória percorrer cidades do interior, onde carros com alto-falantes anunciam de tudo um pouco.

+ A rotina dos profissionais da linha de frente durante a pandemia

Como, em nome do enfrentamento à pandemia, aglomerações são banidas, é preciso acionar a criatividade para não deixar de celebrar o que deve ser celebrado. É nessa lógica dos quarentenados que negócios como o de Márcia do Carmo, 42 anos, também conhecida como Márcia Telemensagens, ganham vulto inesperado. Moradora de Campo Grande, na Zona Oeste, ela passou a fazer, desde o início do isolamento social, cerca de seis aparições semanais em bairros como Leblon, Ipanema, Lagoa e outros.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade

“Estou atingindo um novo público e conseguindo manter o mesmo número de saídas da era pré-coronavírus”, avalia Márcia, que é a voz que parabeniza os aniversariantes. “Antes, era impensável realizar o meu trabalho em bairros da Zona Sul. As pessoas tinham pavor de carro de mensagem, achavam que era cafona, mas só estamos levando uma mensagem de amor e carinho em um dia especial”, faz a autopropaganda.

A nova configuração social fez emergir vários tipos de comemoração. Além dos aplicativos para chamadas em grupo, como o Houseparty, que renasceu este ano (foi criado em 2016), mais alternativas apareceram no horizonte festivo. Nos subúrbios americanos, a moda são as celebrações drive-thru, nas quais os amigos acenam dos carros passando pela casa do aniversariante, que assiste a tudo da janela. Vídeos com uma coleção de depoimentos sobre o homenageado do dia também têm sido uma forma de celebrar. “Embora a pandemia represente um momento de ruptura, as comemorações de aniversário mostram que a vida segue, com suas contradições e possibilidades. O período de isolamento escancarou o que é essencial para todos nós: a forma de lidar com a passagem do tempo, com a própria noção de vida, com o mundo ao nosso redor”, analisa Maria Paula Miller, doutora em antropologia pelo Museu Nacional do Rio de Janeiro.

+ À beira de um ataque de nervos: mulheres equilibram home office, ajuda aos filhos com estudos e trabalhos domésticos

A festa do momento, por assim dizer, entre cariocas isolados custa entre 180 e 300 reais, dependendo da empresa (tem a Cupido do Amor, a Telemensagens de Amor e O Mensageiro, todas com carro de som). A passagem dura, em média, trinta minutos. É tempo suficiente para juntar gente nas varandas e promover uma espécie de comemoração coletiva, em manifestações entre vizinhos como não se via antes do confinamento. Além de escolher a trilha sonora, quem contrata ainda pode pedir para que mensagens de voz de amigos e familiares sejam reproduzidas em altíssimo e bom som. “Se me perguntassem antes da pandemia o que eu acharia desse tipo de presente, com certeza seria contra, mas amei a surpresa”, conta a empresária Rafaella Rabello, moradora de Copacabana, que recebeu o presente de amigas no fim de abril. A celebração de Rafaella terminou com os versos de Pro Dia Nascer Feliz. “Os vizinhos foram para a janela e começaram a dançar, as pessoas que passavam na rua também paravam para olhar. Escutei mensagens dos meus pais, que não via há mais de um mês. Apesar de ser durona, não segurei as lágrimas.”

Continua após a publicidade

+ Corridas virtuais viram tendência durante a quarentena

Os carros de mensagens que chamam atenção agora pelas ruas da Zona Sul fundem dois serviços que já foram muito populares em outros tempos: a telemensagem, em desuso desde o surgimento de programas on-line, como ICQ e MSN, e posteriormente das próprias redes sociais, e os carros de som. “Diante da democratização da internet e do advento do Google, a tradicional ferramenta usada para divulgar pequenos negócios, também conhecida como ‘propaganda volante’, vem desaparecendo das cidades grandes, apesar de ainda ser vista em bairros de subúrbio e cidades pequenas”, lembra o historiador e professor da UFRJ Rafael Mattoso. Neste mundo posto do avesso pela pandemia, a comemoração pode não ter convidados in loco, mas palmas não faltam.

Muito além do Houseparty

Alternativas para festejar durante a pandemia:

Caça ao tesouro em casa. Use pistas ou um mapa misterioso para o aniversariante encontrar o grande prêmio — seu presente de aniversário.

Festa no cinema. Aplicativos como o Netflix Party permitem que amigos assistam a filmes juntos e conversem ao mesmo tempo — a distância, claro.

Continua após a publicidade

Kits de aniversário. A festa vem toda empacotada — salgados, docinhos, decoração — e feita sob medida para cinco pessoas (mais que isso é aglomeração).

Aula de culinária. Chefs ensinam ao aniversariante e seus amigos, conectados por algum aplicativo de videoconferência, a preparar receitas.

Drive-thru. Amigos e familiares passam de carro na casa do homenageado do dia, que celebra da janela.

Arquivo confidencial. Depoimentos são gravados para homenagear o aniversariante, que recebe tudo editado num só vídeo como presente.

Publicidade