Clique e assine por apenas 4,90/mês
Rita Fernandes Por Rita Fernandes, jornalista Um olhar sobre a cultura e o carnaval carioca

Covid-19: o que será da arte quando tudo isso terminar?

O projeto Ô de Casas, de Mônica Salmaso, e o reconhecimento a artistas como Bispo Rosário podem ser uma resposta

Por Rita Fernandes - Atualizado em 13 abr 2020, 15h23 - Publicado em 13 abr 2020, 15h21

O que será da arte quando tudo isso passar? Essa pergunta já foi feita por diversos pensadores, como Marcuse, em outros períodos de pandemias, pós-guerras e situações em que o ser humano esteve em contato tão intenso com a morte. Eu não tenho resposta. Mas nunca vi a arte – em toda a sua extensão – tão compartilhada e tão acessível às pessoas.

Esse momento difícil, apesar da tristeza e de agravar ainda mais as diferenças sociais, tem nos permitido um olhar mais amplo e profundo sobre a arte. Música talvez seja a linguagem mais acessada no momento. Nunca se compartilhou tanto, em playlists, mensagens e principalmente lives, a nova modalidade de “shows” que a cada dia se multiplica.

Tenho escutado de tudo e não me lembro de ter vivido uma imersão musical tão grande antes. Semana passada fui à roda do Bip Bip com seus sambas clássicos. Estive com Thiago Miranda, ao vivo, em Juiz de Fora. Comemorei pela internet o aniversário de Moacyr Luz. Vi os Rolling Stones tocando Paint It, Black e Start me up, em Nova York. E, ontem, me emocionei com o tenor Andrea Bocelli em um concerto de Páscoa na Catedral de Milão, ouvindo “Ave Maria”, de Bach.

Monica está reinventando a cena musical e recebeu, entre outros, o músico João Camarero, no projeto Ô de Casa. Foto Rita Fernandes/Arquivo pessoal

Mas uma das mais incríveis experiências tem sido Ô de Casas (@_ô_de_casas), de Mônica Salmaso e convidados. Foram 22 encontros até agora, que começaram com Alfredo Del Penho, cantando A Cor da Esperança, de Cartola e Roberto Nascimento, música para lá de apropriada para esse momento. Depois vieram Pedro Miranda, Teresa Cristina, João Cavalcanti, Moacyr Luz, Joyce Moreno, Chico Cesar, Lulinha Alencar, Cristóvão Bastos, Luciana Rabello, entre outros. E teve João Camarero, que eu não conhecia. Como toca bonito, esse João!

O projeto de Mônica rende frutos. Com Camarero, a cantora juntou dois clássicos, Juízo Final, de Nelson Cavaquinho e Élcio Soares, e O Sol Nascerá, de Elton Medeiros e Cartola. Talvez aí esteja uma resposta para a pergunta do começo: o que será da arte quando essa quarentena passar?

Continua após a publicidade

VEJA RIO

Monica Salmaso Nunca a arte foi tão compartilhada e Mônica tem recebido artistas de todas as vertentes musicais
Clique e Assine

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Arthur Bispo do Rosário

Queria destacar também os museus, um capítulo à parte nesse momento em que a arte se torna esperança e cura. Poderia falar de vários, mas escolhi o Museu Bispo do Rosário, que fica fisicamente na Taquara, Zona Oeste do Rio, mas encontra-se fechado pelas medidas de combate à pandemia. Arthur Bispo do Rosário é um artista que ainda precisa ganhar a dimensão que merece no Brasil, mesmo já sendo consagrado internacionalmente.

Continua após a publicidade
Uma das principais obras de Bispo do Rosário, o Grande Veleiro está guardado no museu Foto Museu Bispo do Rosário/Divulgação

O museu ainda não dispõe de visita virtual, mas o projeto Inventário do Mundo estava em curso antes de tudo parar. Envolve a catalogação, o inventário, a higienização da obra de Bispo, através da pesquisa, organização e ações de salvaguarda do acervo. Pretende também lançar a edição do Catálogo Raisonné, publicação referência para consulta e controle público de toda a sua obra, que conta com mais de 1500 peças.

Torço para que, diante de tantos problemas graves, ainda assim alguns olhares possam se voltar para o artista negro que afirmava ouvir vozes que lhe diziam ter chegado a hora de representar todas as coisas existentes na Terra para a apresentação no dia do juízo final.

VEJA RIO

Cama Romeu e Julieta Obras como esta, Cama Romeu e Julieta estão no Museu Bispo do Rosário. Sugiro uma visita quando a quarentena acabar
Clique e Assine

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Sugiro, nessa quarentena, uma “visita” a ele e ao tema da luta antimanicomial. Bispo do Rosário é muito mais atual hoje do que se pode pensar, e com certeza tem muito a nos dizer em tempos de Covi-19, com suas linhas e tecidos feitos de uniforme de paciente e de cobertor.

Terminando esse texto, fui surpreendida com a notícia da morte de Moraes Moreira, hoje, e a de Tantinho da Mangueira, ontem. Só aumenta o nosso luto, pelos artistas e pelas vítimas do Coronavírus. Que a arte nos fortaleça e ajude a nos curar.

Para quem quiser desfrutar:

Museu Bispo do Rosário
http://museubispodorosario.com/

Ô de Casas – Mônica Salmaso
https://www.instagram.com/monicasalmasooficial/

Andrea Bocelli na Catedral de Milão
https://www.youtube.com/watch?v=huTUOek4LgU

Publicidade