Clique e assine por apenas 4,90/mês

Panmela Castro: ela é uma artista contemporânea com A maiúsculo

Reverenciada por Hillary Clinton e pela Nobel da Paz Malala Yousafzai, carioca usou a quarentena para provar que vai muito além do rótulo de street artist.

Por Cleo Guimarães - Atualizado em 17 jul 2020, 21h29 - Publicado em 17 jul 2020, 06h00

O prêmio Vital Voices Global Leadership Awards, pela metodologia inovadora  na militância pelos direitos humanos usando a arte de rua como instrumento, Panmela Castro recebeu das mãos de Hillary Clinton. A paquistanesa Malala Yousafzai foi visitá-la em seu ateliê, no Catete, mesmo bairro onde pintou um mural em homenagem à jovem Nobel da Paz, e até hoje trocam e-mails. Panmela, 39 anos, expoente da efervescente cena brasileira do grafite e com trabalhos espalhados por Nova York, Paris, Istambul, Tel-Aviv e Johanesburgo, usou a quarentena para provar que  vai além do rótulo de street artist.

Marcelo Adnet: ‘Nossos políticos são todos patéticos’

Em seu site, fez um recorte de seus trabalhos mais impactantes nos últimos dez anos, incluindo fotos, vídeos, performances, esculturas e instalações. “Assim eu provo que sou uma artista contemporânea com A maiúsculo”, diz a também ativista, que lidera projetos sociais de capacitação de grafiteiras e oficinas pelo fim da violência doméstica.

Batista e Troisgros: um casamento feliz de quase 40 anos

Continua após a publicidade

MC Rebecca: a ‘carentena’ da funkeira de letras ‘proibidonas’

Luiza Brunet: ex-modelo fala sobre o filme que vai contar sua vida

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

 

Continua após a publicidade

Publicidade