Clique e assine por apenas 4,90/mês

Noite do Rio de luto: Buraco da Lacraia vai fechar as portas

Point da boemia underground carioca, casa na Lapa não resistiu à crise gerada pela pandemia do coronavírus e fará festa de despedida no próximo dia 12

Por Cleo Guimarães - 4 set 2020, 15h39

Mais um baque para o carioca: o Buraco da Lacraia vai fechar. O inferninho, que há 27 anos lota um espaço sem preconceitos de 30 m² na Lapa, é a mais recente vítima da crise gerada pela pandemia do coronavírus. “Não temos mais saída”, diz Adão Arezo, dono do lugar, que respira por aparelhos.

Carnaval 2021: desfiles podem acontecer em fevereiro; entenda

Ele conta que os seis meses de portas fechadas, “pagando aluguel e gastando”, esgotaram todas as suas economias – e a incerteza de uma data de reabertura fez com que o fechamento fosse a sua única opção, até pela natureza anárquica do Buraco. “É um lugar de gente se esbarrando, de alegria ao vivo”, diz. “Fiquei pensando em outras possibilidades, em fazer lives, mas não tem como. Fora que nenhuma empresa se interessou”.

Teatro on-line: sete peças para assistir no fim de semana

O Buraco da Lacraia ficou mais pop a partir de 2012, quando uma turma formada pelo humorista Luis Lobianco, do Porta dos Fundos, Leticia Guimarães, Sidnei Oliveira, Heber Inácio e Patricia Pinho, passou a apresentar ali o Buraco da Lacraia Dance Show, mix de cabaré, espetáculo burlesco e show de mulata. “Vamos abrir o Buraco, gente?”, perguntava Lobianco, ao anunciar o início da noitada que estava por vir. Era esse o clima.

Chay Suede deve ser o Ayrton Senna de minissérie no Netflix

A casa vai abrir pela última vez no sábado (12), quando fará uma noite de despedida, com videokê liberado e bebidas a preços populares. Aos 75 anos, Adão contou a VEJA RIO que planeja voltar para o Rio Grande do Sul e não descarta a possibilidade de vender a marca Buraco da Lacraia a quem se interessar em levar o point da boemia underground adiante. “O nome é meu, foi registrado. Tem toda uma ideia por trás, pode ser um bom negócio”, afirma.

http://+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade