Clique e assine por apenas 3,90/mês

Luto: Morre o DJ Bernard de Castejá, aos 59 anos

Um dos pioneiros na arte da discotecagem, ele era diabético e estava internado há mais de um mês em UTI; família descarta Covid-19 como causa da morte

Por Cleo Guimarães - 21 set 2020, 11h38

Morreu na noite deste domingo (20) o DJ Bernard de Castejá, de 59 anos. Diabético, ele se internou no início de agosto no Hospital Unimed Barra para uma cirurgia vascular na perna e contraiu pneumonia – seu quadro foi se agravando com o passar dos dias. “Começou com a pneumonia e foi piorando. Foi tanto remédio que acabou sobrecarregando todos os órgãos”, contou a VEJA RIO o irmão mais novo de Bernard, Louis de Castejá. A família diz que a contaminação pela Covid-19 foi descartada em repetidos exames  – a certidão de óbito aponta choque séptico como causa da morte.

Noite: Castejá em ação; ‘Toco para agradar a gregos e troianos”, era o lema do DJ Facebook/Reprodução

‘Saí de casa rapidinho’: as desculpas de quem vai às ruas sem proteção

Bernard era um dos mais antigos e conhecidos DJs do Rio e de Búzios, onde chegou a ter sua própria boate. Ele  fundou, no final dos anos 70, aquele que é considerado o primeiro cinema do balneário e funcionava na sala de sua casa, na Praça dos Ossos. “Era um visionário. Do bem. Foi DJ quando ninguém nem sabia direito o que era isso”, diz a amiga Alexia Dechamps, antiga frequentadora do cineminha e das festas de Castejá. “A verdade é que ele fez a felicidade de muita gente.”

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Bernard tocou em várias boates cariocas – entre elas, Calígola, Resumo da Ópera, Trap, People e Nuth. Ele deixa quatro filhos e será cremado nesta terça (22), às 15, no Memorial do Carmo.

Continua após a publicidade
Publicidade