Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Brenda Valansi conquista título de carioca do ano na categoria arte

A curadora deu vida em versão enxuta à décima edição da ArtRio, única feira de arte contemporânea que manteve o formato presencial em 2020

Por Marcela Capobianco Atualizado em 18 dez 2020, 13h15 - Publicado em 18 dez 2020, 06h00

Veterinária de formação, Brenda Valansi se apaixonou por arte em uma viagem a Londres. As exposições e museus que visitou a arrebataram de forma tal que ela voltou disposta a mudar de vida. No regresso ao Brasil, Brenda trocou o cuidado com os animais por pincéis e tintas, que foi aprender a manusear na Escola de Artes Visuais do Parque Lage e na PUC-Rio.

+ Cantora Teresa Cristina é a Carioca do Ano na categoria música

Dali deslanchou, expondo em mostras individuais e coletivas no Brasil e no exterior. Hoje, aos 42 anos, admite que, embora ainda respire arte 24 horas por dia, enveredou para o outro lado dela, promovendo-a com raro entusiasmo. “A ArtRio requer dedicação ininterrupta e eu gosto mesmo é de estar em contato com os artistas”, revela a curadora, que em 2020 “bateu o pé” para manter a programação presencial da feira, uma das mais importantes do mundo, desta vez em versão reduzida, com 49 expositores, em razão da pandemia.

Cerca de 8 000 pessoas circularam pela Marina da Glória em um fim de semana de meados de outubro, paramentadas de máscara e cumprindo o distanciamento social.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

O modelo mais conciso ajudou os frequentadores a ir direto ao ponto: bons negócios aconteceram tanto para artistas quanto para galeristas e para outras instituições de arte. “Mesmo com a crise, o mercado no Brasil provou que está robusto e generoso inclusive com jovens artistas”, avalia Brenda, que chegou à décima edição da feira. Na primeira ArtRio, tocava o negócio ao lado de três sócios.

+ Bruno Mazzeo conquista título de Carioca do Ano na TV

Com a maré baixa, que ralentou a economia do Rio após os Jogos Olímpicos, a curadora passou a comandar a feira sozinha. “Tive altos e baixos, mas aprendi a gerir o negócio”, conta ela, que soube se ajustar a estes tempos. “Promover palestras on-line contribuiu para democratizar o conteúdo. É a prova de que a arte está ao alcance de todos”, vibra Brenda, que, incansável, já prospecta parcerias e patrocínios para o 2021 que se avizinha.

+ Ana Beatriz Nogueira é carioca do ano no teatro

Continua após a publicidade
Publicidade