Clique e assine por apenas 4,90/mês

Marina Iris: “O governo não está fazendo um favor ao apoiar artistas”

A cantora e compositora participou do projeto Cena Carioca, com a colunista Rita Fernandes, no Instagram de VEJA Rio

Por Bruna Motta - Atualizado em 3 jul 2020, 20h28 - Publicado em 3 jul 2020, 20h27

A cantora e compositora Marina Íris foi a convidada desta sexta (3) do Projeto Cena Carioca, série de lives conduzidas pela jornalista e colunista de VEJA Rio Rita Fernandes no Instagram da publicação. Durante o encontro on-line, além de soltar a voz, Marina falou sobre música, ativismo, processo criativo e também sobre como está lidando com a pandemia causada pelo novo coronavírus. Abaixo, confira trechos da conversa:

Voz Bandeira

“Quando o Leandro Vieira (carnavalesco da Mangueira) me viu cantar ao vivo, escreveu em suas redes sociais que minha voz carrega muitas bandeiras. Eu estava acostumada a receber elogios sobre o alcance da voz, a potência e a minha interpretação, mas isso ninguém nunca tinha me falado. Acho que a minha voz ajuda a amplificar outras vozes. Foi uma forma muito bonita de definir não só a minha voz, como também o meu trabalho”.

+Estreias do streaming: documentário sobre Sandy e Jr e novela Vale Tudo

Continua após a publicidade

Produção na quarentena

“Tenho jornada dupla, trabalho como jornalista e fui aprovada em três editais que surgiram na pandemia, de apoio a artistas. Ainda não fiz os shows, que serão on-line, mas estou me preparando. É importante ser remunerada por essas lives musicais. Tenho tentando manter a sanidade e as composições ajudam bastante nisso, mas não dá para falsear a realidade. Temos que cobrar o poder público para dar suporte. Não é um favor. Não é um momento fácil”.

+Leandro Vieira: “Não é hora para falar de Carnaval”

Trabalho novo

Continua após a publicidade

“Pretendo lançar um álbum em 202, mas ainda estou muito empenhada em trabalhar bastante o meu último trabalho. O show de estreia dele estava previsto para 20 de março, mas veio a pandemia… Gosto de fazer coisas conectadas com o que está acontecendo. Recebi duas composições da Teresa Cristina no início da quarentena, estou muito empolgada. Vou gravar com certeza, admiro muito ela”.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Lutas

“Levanto, sim, muitas bandeiras: uma sociedade mais igualitária, mais justa, com mais dignidade. Só isso já é um guarda-chuva enorme. Também falo sobre a pauta antirracista, que é para ontem. Temos que reparar, sim, tudo que aconteceu de cruel no país. A luta contra o machismo, a LGBTfobia. Precisamos achar uma forma de ter uma sociedade mais justa, com uma convivência mais fraterna”.

Continua após a publicidade

+A hora da estrela Teresa Cristina

Futuro da roda de samba

“É muito difícil bater o martelo a respeito de como será o futuro, porque é tudo ainda muito novo. Fico tentando projetar, pensar em saídas. Vamos tocando a bola. Mas roda de samba pressupõe encontro, pessoas coladinhas e isso não vai ter por muito tempo. A sobrevivência dessa cultura, por enquanto, está na internet”.

Publicidade