Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

BBB: polícia investiga racismo contra Carla Diaz e irrita atriz; ‘Absurdo’

Inquérito foi instaurado por deputado bolsonarista e a aponta como vítima de preconceito, o que ela nega: 'Racismo reverso não existe'

Por Da Redação 9 abr 2021, 14h13

Eliminada do BBB em março, Carla Diaz usou suas redes nesta quinta (8) para anunciar que foi instaurado um inquérito para investigar se ela sofreu crime de racismo enquanto esteve confinada – e a atriz diz que não tem nada a ver com isso. “Fui surpreendida por um policial da Delegacia de Crimes Raciais. Sim, bateram na minha porta”, contou. “Levei um susto. Óbvio, porque alguém pediu pra delegacia instaurar um inquérito e vou ter que prestar esclarecimento sobre um procedimento de preconceito racial, como se eu fosse a vítima!”.

Coronavírus: tratamento de Paulo Gustavo custa 50 000 por dia, em média

Carla mostrou-se revoltada com o fato de a notícia-crime ter sido registrada em seu nome, sem que ela jamais tenha mostrado interesse em fazê-lo. “Como se eu tivesse sido vítima de discriminação! Quero dizer que acho tudo um absurdo, meu advogado já está vendo isso”, completou a atriz. “Acho importante afirmar aqui que racismo reverso não existe! Por favor, vamos ler, vamos nos informar, a internet está aí pra isso. O programa debateu racismo a semana toda. Estou muito chateada com essa situação”.

BBB: patrocinadores pressionam Globo a coibir agressões psicológicas

O inquérito foi aberto no dia 10 de fevereiro pelo deputado estadual Anderson Moraes, do PSL, que à época, anunciou em seu Twitter: “Protocolamos notícia-crime contra a participante Lumena por fala pejorativa e ofensiva generalizada à raça branca”. Dias antes, Lumena havia chamado Carla de “sem melanina”, “desbotada” e “com olhos de bonca assassina”. Thammy Miranda, vereador do PL de São Paulo, também entrou com ação criminal contra Lumena dias depois, quando a participante do BBB referiu-se à atriz como uma pessoa “Toda cagada na merda da branquitude”. Thammy desistiu do processo. Moraes, não. O deputado bolsonarista manteve a queixa-crime.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade