Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Guilherme Vaz

Veja Rio:

Resenha por Rafael Teixeira

Ainda que tecnicamente correta, a classificação do mineiro Guilherme Vaz como músico e compositor soa insuficiente. Um dos mais premiados autores de trilhas sonoras do país, com mais de sessenta filmes no currículo, ele introduziu a música concreta no cinema brasileiro, com o filme Fome de Amor (1968), de Nelson Pereira dos Santos. Adepto das experimentações, acabou por fazer parte, entre o fim dos anos 60 e o início da década seguinte, da nascente cena carioca da arte conceitual, tornando-se um pioneiro ao produzir obras que tinham por base o som. Essa rica trajetória é apresentada em Uma Fração do Infinito, mostra que abre na quarta (13) no CCBB. Uma das salas será inteiramente dedicada às investigações de Vaz no campo da música, incluindo instalações sonoras e partituras convencionais e conceituais — entre as últimas, Silêncio, com instruções para uma performance. Vídeos, fotografias, desenhos e pinturas completam o acervo.

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.