TEATRO

Não é o Crô

A versatilidade de Marcelo Serrado compensa o frágil texto do monólogo Não Existe Mulher Difícil

Por: Carlos Henrique Braz - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪

Rosa?ngela Ribeiro
(Foto: Redação Veja rio)

Em evidência como o mordomo gay Crô, na novela Fina Estampa, Marcelo Serrado tem lotado as sessões do monólogo de humor Não Existe Mulher Difícil. O sucesso do ator na TV Globo levou o espetáculo ao horário nobre do Teatro do Leblon, após quatro meses em cartaz às 23h30, em 2010. Baseado no livro homônimo de autoajuda escrito pelo publicitário paulista André Aguiar Marques, cujo ponto de partida foi sua experiência em um cruzeiro para solteiros, o texto ganhou adaptação para o palco de Lucio Mauro Filho. A trama lembra uma versão masculina da comédia Os Homens São de Marte... E É pra Lá que Eu Vou, que estreou em 2005 com Mônica Martelli - mas, como se sabe desde cedo, as meninas são mais espertas.

Assim como a atriz, na pele da jornalista Fernanda, enumerava romances malsucedidos com variados tipos, o músico da noite interpretado por Serrado desfia histórias sobre a ex-esposa que o traiu com seu ex-melhor amigo e a coleção de namoradas em seu currículo de conquistador desastrado. Estão lá, entre outras, a patricinha consumista compulsiva e a natureba praticante de ioga. Para compensar o conteúdo de graça rarefeita, o diretor Otávio Müller explorou as habilidades do ator como tecladista e cantor, e também no improviso e no tempo cômico. Na forma como conta seus casos e na composição de trejeitos dos personagens, ele ganha a plateia. Saúda os atrasados citando a música Amor Meu Grande Amor (em que Angela Ro Ro diz num verso ?Não chegue na hora marcada?), e interpreta pérolas como Fogo e Paixão, de Wando (1945-2012). Os fãs de Crô não o encontram, mas se divertem.

Não Existe Mulher Difícil (60min). 14 anos. Estreou em 14/8/2010. Teatro do Leblon ? Sala Fernanda Montenegro (417 lugares). Rua Conde Bernadotte, 26, Leblon, ☎ 2529-7700. Sexta e sábado, 21h30; domingo, 20h. R$ 60,00 (sex. e dom.) e R$ 70,00 (sáb.). Bilheteria: a partir das 15h (sex. a dom.). Cc: D, M e V. Cd: todos. IC. Estac. (R$ 7,00 por três horas). Até 25 de março.

Fonte: VEJA RIO