ROTEIRO DA SEMANA

VEJA Rio Recomenda

Exposição Nova Escultura Brasileira, Cirque Du Soleil e peça Estamira

- Atualizado em

EXPOSIÇÃO

recomenda-exposicao.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Nova Escultura Brasileira ? Heranças e Diversidades. Um panorama abrangente da escultura nacional revelada nas últimas três décadas do século passado, representado por trabalhos de noventa artistas, é oferecido ao público da mostra em cartaz na Caixa Cultural. O curador Alexandre Murucci dividiu o acervo em dois módulos. No primeiro, chamado de CorpoOrgânicoPop, o fio condutor é a herança deixada por Lygia Clark, Lígia Pape e Hélio Oiticica, pioneiros na experiência com novos materiais e no enfrentamento dos limites da forma. Ali estão criações de artistas tarimbados, a exemplo de Nelson Leirner, Ivens Machado e Nuno Ramos, ao lado de nomes ascendentes como Rogério Degaki, autor de Pássaro Azul, e Felipe Barbosa, cuja obra encanta e diverte ao mesmo tempo ? desta vez com Martelo de Pregos. O núcleo Neo-ConcretaCinéticaConceitual explora a influência de artistas do porte de Franz Weissmann e Abraham Palatnik sobre gerações também dedicadas a ampliar o universo escultórico, utilizando de materiais diversos a engrenagens e objetos cinéticos. Fazem jus à carreira dos dois mestres peças como as criadas por Paulo Pedro Domingues e Osmar Dillon.

TEATRO

recomenda-teatro.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Estamira ? Beira do Mundo. No ano passado ela conquistou o prêmio da Associação dos Produtores de Teatro do Rio de Janeiro pelo trabalho nas peças Maria do Caritó e As Conchambranças de Quaderna. No monólogo em cartaz na Casa de Cultura Laura Alvim, Dani Barros passa de coadjuvante a talentosa protagonista. Impressionada com o documentário Estamira (2005), de Marcos Prado, sobre a catadora de lixo do Jardim Gramacho que, diante da câmera, alterna devaneios com observações de perturbadora lucidez, a atriz levou a personagem real, falecida há quatro meses, para o palco. No papel, sem resvalar na caricatura, fala da vida, de questões universais e da doença que a acomete. Sacos de lixo no cenário e a iluminação que empresta ritmo à montagem são seu único apoio, além do texto certeiro costurado a quatro mãos com a diretora Beatriz Sayad. Tiques sutis de Estamira compõem o tipo à perfeição. Um último detalhe explica a inteireza da montagem: a atriz também leva ao palco sua convivência com a mãe, vítima de depressão e já falecida.

ESPECIAL

recomenda-especial.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Cirque Du Soleil. Levado a quinze países desde a estreia, em 2002, e já visto por mais de 6 milhões de espectadores, Varekai é o próximo espetáculo da trupe circense mais famosa do planeta a ganhar temporada no Rio. Sob a direção do canadense Dominic Champagne, 58 artistas encenam, a partir de quinta (8), na lona montada na Marina da Glória, a história de Ícaro, o rapaz perdido na floresta mágica do título. Essa é a deixa para o desfile de criaturas fantásticas e números desconcertantes amparado por uma superprodução que envolve 1?000 toneladas de equipamento e 600 peças de figurino. Em meio a muita música e muito colorido, malabarismo, acrobacia aérea, contorcionismo, palhaços e outras atrações espalham-se por catorze atos. Curiosidade: um carioca no elenco, Rafael Botelho estrela uma energética coreografia com muletas em que se move como marionete.

Fonte: VEJA RIO