DIVERSÃO

As melhores bibliotecas do Rio

Para comemorar o Dia Nacional do Livro, que será celebrado na segunda (29), listamos as principais bibliotecas públicas da cidade. No Real Gabinete de Leitura, encontram-se 400 000 títulos em língua portuguesa

Por: Ernesto Neves - Atualizado em

Riotur
(Foto: Redação Veja rio)

Cidade com longa tradição literária, o Rio dispõe de bibliotecas públicas que oferecem verdadeiros tesouros aos visitantes. Região mais tradicional da cidade, o Centro concentra a maior parte dos espaços de estudo e leitura da cidade, mas há opções como a da Fundação Oswaldo Cruz, em Manguinhos, e a Casa de Leitura, localizada em Laranjeiras. Confira abaixo uma seleção de espaços públicos para você aproveitar o que a cidade oferece de melhor em áreas como ciências e biologia, artes plásticas, literatura portuguesa e raridades.

Biblioteca Nacional. Mais importante espaço de leituras da cidade, é hoje a maior biblioteca de toda a América Latina. Junto com a chegada da Família Real ao Brasil, em 1808, vieram para o país 60.000 títulos, que deram origem à Real Biblioteca, primeiro nome da instituição. Hoje, são nada menos que dez milhões de itens, entre livros, manuscritos, documentos, jornais e fotografias, que colocam a Nacional entre as sete maiores de todo o planeta. Entre as raridades estão uma gramatica de Língua Portuguesa datada de 1539 e as partituras originais da ópera O Guarani, de Carlos Gomes.

Onde: Avenida Rio Branco, 219, tel. 3095 3879.

Centro Cultural Banco do Brasil. Recém-aberta após reformas que consumiram 3,5 milhões de reais, conta com 2.200 metros quadrados e um acervo com 130.000 volumes. Entre as atrações está a seção infanto-juvenil, com 4.000 títulos para os pequenos. Moderna, possui 150 títulos em audiobooks, entre eles uma coleção sobre música clássica da prestigiada publicação inglesa BBC.

Onde: Rua Primeiro de Março, 66, Centro, tel. 3808-2020.

Paço Imperial. Instalada logo no primeiro andar do prédio de 1743, a biblioteca Paulo Santos foi formada pelo historiador de arquitetura de mesmo nome. Por isso, conta com um acervo de 9.000 volumes e 200 títulos de publicações periódicas de arquitetura e artes de diversos países, sendo predominante os livros especializados nos estilos lusos e brasileiros.

Onde: Praça XV de Novembro, 48, Centro, tel. 2533-4207.

Riotur
(Foto: Redação Veja rio)

Fundação Oswaldo Cruz. Localizada no interior do castelo de Manguinhos, na Zona Norte carioca, a biblioteca abriga livros de ciências biomédicas, muitos deles originais e usados no início do século XX. Era ali que Oswaldo Cruz e outros pesquisadores se encontravam para discutir seus estudos e descobertas.

Onde: Avenida Brasil, 4365, campus da Fiocruz em Manguinhos (passarela 6 da via expressa) Visitação: de terça a sexta, das 9h às 16h30, mediante agendamento. Aos sábados, visitação livre das 10h às 16h. Grátis. Informações e agendamento: 2590-6747 e recepcaomv@coc.fiocruz.br.

Casa de Leitura. Sede do PROLER (Programa Nacional de Incentivo à Leitura), a casa fica em um edifício histórico no bairro de Laranjeiras. Entre as grandes atrações estão uma seção de livros dedicados às crianças e outra de literatura juvenil e adulta.Também é possível participar dos cursos da instituição (confira a agenda do mês de novembro aqui), entre eles aulas sobre a literatura africana e infantil. Onde: Rua Pereira da Silva, 86, Laranjeiras, tel. 2557-7437.

Real Gabinete de Leitura. Fundado em 1837 por um grupo de 43 imigrantes portugueses, a biblioteca tinha como objetivo prover cultura aos europeus residentes por aqui. Ao longo de seus 175 anos de existência, o gabinete reuniu em suas galerias cerca de 350 000 títulos, um tesouro à disposição dos cariocas. Aberto ao público desde 1900, tem relíquias guardadas como a obra Ordenações de Dom Manuel, de Jacob Cromberger, escrita em 1521.

Onde: Rua Luís de Camões, 30, Centro, tel. 2221-3138. Segunda a sexta (9h/18h).

Fonte: VEJA RIO