MUNDO ANIMAL

Mundo animal

Histórias inusitadas, dicas e curiosidades do universo dos animais de estimação no Rio

Por: Daniela Pessoa - Atualizado em

Fotos Felipe fittipaldi
(Foto: Redação Veja rio)

Hóspede vip

Instalada há seis meses no Copacabana Palace, Lady Bella tem tratamento cinco-estrelas. Preparado com um mês de antecedência, seu quarto recebeu por­ta-retratos com fotos da bichon frisé e caminha personalizada, embora ela prefira repousar sobre a cama com lençóis de 800 fios. Sete funcionários cuidam para que, duas vezes por dia, ela se alimente, passeie, tome banho de sol à beira da piscina e tenha o pelo escovado. Uma governanta a visita ainda para ligar o rádio. "Ela adora escutar música dos anos 80", revela Renata Portes, gerente de hóspedes e uma das envolvidas no trato da dondoca, cujo dono, o inglês lord Benjamin Bowen, é cliente do hotel e confiou seu xodó aos cuidados da equipe enquanto faz outras viagens.

mundo-animal-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)
Paraíso dos roedores

A varanda do apartamento da empresária Bárbara Alencar, na Tijuca, é lar de dois minicoelhos e catorze gerbos, ou esquilos-da-mongólia, que na verdade mais parecem hamsters. "No início, as duas espécies podem ser um pouco bravas, mas você consegue amansá-las oferecendo sementes de girassol com a mesma mão que faz carinho", conta a moça, que improvisou um canteiro com grama onde os dentuços gostam de brincar sem ter hora para acabar. "Os esquilos também são divertidos, mas nunca os segure pela cauda, porque eles se machucam muito facilmente", alerta.

istockphoto
(Foto: Redação Veja rio)
Nada de gato gordo

Juju, de 15 anos, estava mesmo rechonchuda. Há um ano, a gatinha da aposentada Cláudia Antunes chegou a pesar 7 quilos, mas agora desfila pelo apartamento no Leblon com 5, seu peso ideal. Pode parecer pequena a perda, mas ela foi substancial para o bem-estar do bicho, e resultado de uma dieta à base de ração especial e muito exercício. "A veterinária dificultou o acesso à comida e recomendou brincadeiras vigorosas", conta a dona. Em uma delas, Cláudia pegava uma lanterna de luz vermelha e a projetava na parede em movimentos para todos os lados. Resultado: a bichinha ia atrás da claridade, enlouquecida para cima e para baixo. Deu certo, e hoje Juju está sarada e faz apenas manutenção da boa forma.

Fonte: VEJA RIO