Documentos antigos, guardados em espaço futurista

Papéis amarelados e fotos se rasgando de tão velhas vão virar, de fato, coisas do passado. No Memorial do Estado do Rio de Janeiro, cujo prédio abre as portas em 2014, o foco será a digitalização de documentos. Aos poucos, simultaneamente às obras da nova sede, ganham versões eletrônicas preciosidades como as primeiras escrituras da cidade, notas fiscais de venda de escravos e livros que registram a chegada de estrangeiros ao porto. Deve dar um trabalhão: serão digitalizados 400 000 imagens e 4 quilômetros de papelada. Mas nem tudo poderá ser visto pelos internautas: para consultar prontuários de presos e fichas do Instituto Médico-Legal (IML) continuará sendo necessário ter autorização especial.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s