• 22 (Crédito: Reprodução Youtube)

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Resenha por Tiago Faria

Não é preciso ser fashionista para roer as unhas durante a exibição do documentário Dior e Eu. Com o pique de um reality
show, mas sem escorregar na superficialidade, o diretor francês Frédéric Tcheng visita os bastidores de uma das grifes mais respeitadas da moda em momento de expectativas à flor da pele. Na primavera de 2012, o estilista belga Raf Simons foi convidado para assinar pela primeira vez uma coleção da Dior. A escolha provocou desconfiança generalizada, já que o estilo minimalista do costureiro não parecia casar com a pompa romântica associada à marca. A missão dele não parou aí: Simons teve apenas oito semanas para desenvolver os figurinos da estação. Enquanto mostra os perrengues do dia a dia de uma equipe tecnicamente impecável (nos bastidores, o clima é de trincheira), o cineasta recorre a imagens de arquivo em preto e branco para trazer à tona as memórias do próprio Christian Dior (1905-1957), narradas no livro autobiográfico que dá nome ao longa. O vaivém entre passado e presente revela a batalha diária de uma empresa para, ao compreender as mudanças do mercado, manter-se no topo. Estreou em 27/8/2015.

Ficha técnica

Direção: Frédéric Tcheng

Duração: 90 minutos

Recomendação: 12 anos

País/Ano:

Publicidade

Publicidade