Clique e assine por apenas 4,90/mês

Pintura retrata Morro do Castelo no século XVI

De autoria de Antônio Firmino Monteiro, a tela está presente no novo livro da historiadora Anna Maria Fausto Monteiro de Carvalho

Por Rafael Sento Sé - 27 abr 2018, 10h40

Em 1567, após a vitória portuguesa sobre os tamoios na Batalha de Uruçumirim — em que foi ferido mortalmente Estácio de Sá, o fundador do Rio de Janeiro —, o núcleo da cidade foi transferido para o alto do Morro do Descanso, logo rebatizado Morro do Castelo. A tela acima, criada pelo pintor carioca Antônio Firmino Monteiro em fins do século XIX, eterniza uma cena daqueles primórdios, quando os jesuítas tinham grande poder. Com vista privilegiada da entrada da Baía de Guanabara, os religiosos construíram no morro uma igreja dedicada a São Sebastião e um colégio. O quadro é um dos muitos detalhes dessa narrativa reunidos pela historiadora Anna Maria Fausto Monteiro de Carvalho em um livro de fôlego: Arte Jesuíta no Brasil Colonial — Os Reais Colégios da Bahia, Rio de Janeiro e Pernambuco (Versal Editores; 561 páginas; 150 reais).

+ Projeto estimula prática do beisebol no Rio

Fãs da cultura pop comemoram do Dia do Orgulho Nerd no Imperator

+ Site ajuda usuários a sugerir projetos de lei

Continua após a publicidade

+ Rio receberá 5 007 600 doses da vacina contra gripe

Publicidade