Clique e assine por apenas 4,90/mês

Pedro Miranda se arrisca no fogão no Baródromo neste sábado (19)

Pandeirista participa com músicos e chefs da 2ª edição do projeto Cozinha de Bamba

Por Redação VEJA RIO - 18 Maio 2018, 18h58

O pandeiro de Pedro Miranda é um velho conhecido de quem frequenta as rodas de samba do Rio. O que pouca gente conhece é o talento do moço com outro instrumento: o fogão. Os dons serão testados no próximo sábado (19). Na ocasião, o músico e outros ases do telecoteco encontram os bambambans dos temperos na 2ª edição do projeto Cozinha de Bamba. Com entradas a R$ 20, o evento acontece a partir das 12h no Baródromo, na Lapa.

Do time do samba, foram escalados Tia Surica, Marquinhos de Oswaldo Cruz e a Banda da Cozinha, que toca com o bloco Põe na Quentinha?. Já para a seleção dos mestre-cucas, os convocados foram os chefs Elia Schramm e Suzi Clementino, além das craques que põem de pé a Feira das Yabás, envento culinário-gastronômico que voltou a acontecer regularmente no último domingo (13) em Madureira. Cada um fará o que sabe melhor – com exceção de Pedro, que jogará um tempo por cada time. Bobó de camarão, jiló frito empanado no parmesão e a indispensável feijoada são algumas das iguarias programadas.

Criado pelo fotógrafo e historiador Berg Silva, o Cozinha de Bamba é co-irmão, como se costuma dizer no mundo do samba, do bloco Põe na Quentinha. Tanto que, no ano que vem, o espírito por trás da iniciativa será o enredo da agremiação. “Vamos homenagear todos os chefs, cozinheiros e donos de boteco que contribuíram para o sucesso do bloco nesses quatro anos”, afirma Silva. Como dizia Candeia, pode provar que não tem veneno.

Continua após a publicidade
Publicidade