Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Oi Futuro lança livro-experiência e instalação artística digital

Festival Multiplicidade terá edição 100% on-line, com bate-papo com integrantes do BaianaSystem nesta quarta (21)

Por Marcela Capobianco Atualizado em 20 out 2020, 11h13 - Publicado em 20 out 2020, 11h10

O Oi Futuro lança, nesta quarta (21), o livro-experiência Festival Multiplicidade – O que Eu Quero Ainda Não Tem Nome. Para marcar a novidade, haverá uma apresentação on-line de uma instalação de arte digital com transmissão pelas redes do festival.

Os centros culturais do Flamengo e de Ipanema ainda estão fechados ao público.

Idealizada pelo curador e artista visual Batman Zavareze, a instalação audiovisual convida o público a colaborar e interagir pela internet e tem como suporte um painel de LED de grandes dimensões e altíssima definição.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

A programação on-line começa às 19h desta quarta (21), pelo canal do Oi Futuro no YouTube, com um bate-papo de Zavareze com Russo Passapusso e Filipe Cartaxo, integrantes da banda BaianaSystem, que há um ano abriu o festival Multiplicidade com um show num Circo Voador lotado.

+ A programação dos teatros que voltaram a receber o público

Já a apresentação artística está marcada para as 20h, nos canais digitais do Festival Multiplicidade. O livro está disponível para download gratuito.

Continua após a publicidade

+ Hotel na Praia de Copacabana oferece aula de ioga ao ar livre

“Será uma espécie de vernissage digital, uma experiência poética, para retratar os tempos reconfigurados em que vivemos. Tempos de olhar para trás para enxergar o que vem pela frente e responder: o que queremos e que ainda não tem nome”, conta Zavareze.

O livro convoca o leitor a uma experiência de realidade aumentada por meio da leitura de um QR code e traz uma seleção inédita de obras de artistas como BaianaSystem, Raul Mourão, Rosa Magalhães, Cabelo, Dani Dacorso, Thiago TeGui, entre outros.

+ Saudades de ir ao cinema? Confira as estreias do mês

As imagens foram criadas a partir das performances e exposições exibidas no festival de 2019. Ao apontar o celular e criar um avatar multicolorido, o público inicia a experiência imersiva.

A publicação física, em dimensões de pôster (40x60cm), combina linguagens artísticas diversas e une processos artesanais a tecnologia de ponta. “Neste ano distópico foi produzido um livro-experiência, acessível a todos pelos meios digitais e com uma série limitada de exemplares impressos, produzidos um a um, como objetos de arte. Usamos técnicas experimentais, a exemplo do silkscreen, ao lado de impressões sofisticadas em papéis com revestimento holográfico. A intenção desse movimento foi olhar para dentro e extrair do triste silêncio da pandemia uma suspensão amorosa e poética”, diz o curador e artista plástico.

+ Teatro Riachuelo vai reabrir no sábado (24), com show do Casuarina

Nas quinze edições presenciais, o Festival Multiplicidade reuniu apresentações de mais de 800 artistas de 25 países, lançou onze livros, um LP e uma série de TV no Canal Brasil.

Continua após a publicidade
Publicidade