Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Obras de alunos ilustres celebram 200 anos da Escola de Belas Artes

Exposição reune de talentos que passaram pela instituição

Por Renata Magalhães Atualizado em 2 jun 2017, 11h53 - Publicado em 23 nov 2016, 00h00

Bruno Miguel. Carioca, formado em artes plásticas e pintura pela EBA em 2009, Bruno Miguel explora paisagens por meio de técnicas variadas — para criar Gang do Lixo, de 2016, ele recorreu a recortes.

DIVULGAÇÃO2
DIVULGAÇÃO2

Candido Portinari. Em 1919, um ano depois de chegar ao Rio, vindo do interior de São Paulo, Portinari (1903-1962) ingressou na Escola Nacional de Belas Artes (então Enba). Lá, o expoente do modernismo, autor da tela Menino de Brodósqui, teve como professores, entre outros, Rodolfo Amoedo e Baptista da Costa.

Celeida Tostes_Divulgação
Celeida Tostes_Divulgação

Celeida Tostes. Ao longo de sua carreira, a escultora carioca buscou um vínculo entre o tema escolhido e a matéria-prima eleita. Na série Ovos, ela optou pelo barro. Celeida Tostes (1929-2005) formou-se na Escola Nacional de Belas Artes em 1955 e foi professora da instituição.

_Luz sobre a praça_c

_Luz sobre a praça_c

Oswaldo Goeldi. Ilustrador e desenhista, Goeldi (1895-1961) tornou-se professor da escola em 1955 e lá idealizou a oficina de xilogravura. Na mostra, marca presença com Luz sobre aPraça (1930), criação influenciada pelo expressionismo. 

DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO

Roberto Magalhães. Frequentador da instituição como aluno livre, no começo dos anos 60, o pintor, desenhista e gravador carioca ganhou notoriedade naquela década participando de coletivas no Brasil — como a histórica mostra Opinião 65, realizada no MAM — e no exterior. No acerco exposto, ele assina a gravura Gemini.

› Museu Nacional de Belas Artes. Terça a sexta, 10h às 18h; sábado e domingo, 13h às 18h. R$ 8,00. Grátis aos domingos.     

Continua após a publicidade
Publicidade