Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Dupla tarimbada, Möeller e Botelho resgatam musical icônico dos anos 70

Brasileiro, Profissão: Esperança estreou em 1971 com com Maria Bethânia e Ítalo Rossi (1931-2011) e agora ganha versão com Botelho e Claudia Netto

Por Marcela Capobianco Atualizado em 20 ago 2021, 10h20 - Publicado em 20 ago 2021, 06h00

Há exatos cinquenta anos, entrava em cartaz o emblemático musical Brasileiro, Profissão: Esperança, com Maria Bethânia e Ítalo Rossi (1931-2011).

O país passava pelos anos de chumbo da ditadura militar, mergulhado em incertezas. Hoje, em plena crise pandêmica, é necessário renovar a fé no futuro. Foi justamente por isso que os encenadores Claudio Botelho e Charles Möeller decidiram resgatar o texto de Paulo Pontes.

Em cenário minimalista, Botelho faz uma tabelinha com a atriz e cantora Claudia Netto no Teatro Clara Nunes, no Shopping da Gávea.

Sem enredo e personagens, o espetáculo é uma revista musical moderna, recheada por músicas de Antônio Maria e Dolores Duran.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

O sucesso teve versões com Clara Nunes e Paulo Gracindo, em 1973, e Bibi Ferreira e Gracindo Jr., em 1998.

Rua Marquês de São Vicente, 52, Gávea. Sáb. e dom., 19h. R$ 100,00. Ingressos pelo eventim.com.br. Até 5 de setembro.

Continua após a publicidade

Publicidade