Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Paz sem voz não é paz: Marcelo Yuka é homenageado em grafite na Tijuca

Músico e ativista político foi um ilustre morador do bairro. Projeto do coletivo Faz na Praça foi executado pelo artista urbano Cazé

Por Marcela Capobianco Atualizado em 29 abr 2021, 12h29 - Publicado em 29 abr 2021, 12h16

O músico e ativista político Marcelo Yuka, um dos fundadores da banda O Rappa, foi homenageado em um grande mural de grafite na Rua Uruguai, na Tijuca, Zona Norte da cidade. A obra fica na lateral de uma oficina, perto da esquina com a Avenida Maracanã.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

O projeto é do coletivo Faz na Praça, famoso por comandar atividades e ocupações artísticas na Grande Tijuca. O mural, que será inaugurado na tarde desta quinta (29), é assinado pelo grafiteiro Cazé, integrante da iniciativa Negro Muro, que exalta personalidades pretas através de grandes murais de arte urbana. Um dos últimos produzidos por ele no projeto foi uma homenagem a Pixinguinha, em uma empena na Lapa.

+ Comuna reabre na Lapa com drinques e os famosos hambúrgueres

Yuka foi um ilustre morador do bairro e viveu na Rua Uruguai até o fim da vida, em janeiro de 2019. “Quando eu comecei a grafitar, vi um mural em homenagem a ele no Jardim Botânico, feito pelo Acme. Na época, o Yuka já era uma referência para o ativismo urbano. Volta e meia ele aparecia nos encontros de grafiteiros, dava muita força para a gente. Pintá-lo foi muito importante para mim. A história dele é inspiradora…Foi um lutador, resistiu a balas, literalmente, e se reinventou através da arte”, conta Cazé.

+ Cedae é multada em R$ 20 milhões por jogar esgoto no mar da Barra

O mural é inspirado na capa do disco Lado B Lado A’, lançado em 1999 pelo Rappa e traz os célebres versos “Paz sem voz não é paz, é medo”, da música Minha Alma (A Paz Que Eu Não Quero), além de figuras urbanas, como um menino vendedor de balas, uma bola de futebol, uma lata de spray e um sinal de trânsito com um par de tênis pendurados. Elementos surrealistas também estão presentes no mural, como um percussionista com cabeça de megafone e um menino – que lembra as crianças que se apresentam em cruzamentos para ganhar uns trocados – com uma cabeça de jacaré.

Continua após a publicidade
Publicidade