Clique e assine por apenas 4,90/mês

Dez programas imperdíveis neste fim de semana

VEJA RIO selecionou dez atrações para deixar seu fim de semana mais animado. Destaque para o show de Criolo, neste sábado (6)

Por Redação VEJA RIO - 5 jan 2018, 17h31

Show da Mart’nália

Mart’nália: mistura no Circo Eny Miranda/Divulgação

Já é tradição: um ano após o lançamento do disco +Misturado no Circo Voador, Mart’nália volta a animar a lona da Lapa na primeira semana de janeiro. Agora, traz na bagagem o troféu do Grammy Latino de melhor álbum de samba para o trabalho, que mescla o gênero a pop, rock e xote em inéditas e releituras de grandes nomes da MPB. De Caetano entram Tempo de Estio e Linha do Equador (feita com Djavan). Geraldo Azevedo, Teresa Cristina e Zé Ricardo colaboraram com as novidades. Antes, no show de abertura, Qinho mostra sua homenagem a Marina Lima. Circo Voador. Arcos da Lapa, s/nº. Sábado (6), a partir das 22h. R$ 100,00 (1º lote).

Madrugada no Centro entra no clima de folia no CCBB

joao-salomaodivulgacao.jpeg
Orquestra Céu na Terra: pré-Carnaval no CCBB João Salomão/Divulgação

Projeto criado em 2013 que leva atrações musicais à área externa do CCBB, oMadrugada no Centro começa a esquentar os tamborins em edição pré-carnavalesca. O DJ Calani, da festa Desbunde, convida as meninas da Xêpa, grupo dedicado ao brega e suas variações, para aquecer o público. Em seguida, a Orquestra Céu na Terra (foto) comanda a folia com participação de Emanuelle Araújo e do sambista João Cavalcanti, que se dedica à carreira-solo após sua saída do grupo Casuarina. CCBB. Rua Primeiro de Março, 66, Centro. Sábado (6), 22h. R$ 20,00.

Show de Soraya Ravenle

Soraya Ravenle apresenta o espetáculo ‘MPB – A Era dos Festivais’ Cyntia C Santos/Divulgação

Estrela de musicais como South American Way, Sassaricando e Ópera do Malandro,a atriz e cantora Soraya Ravenle revive em MPB — A Era dos Festivais os tempos dos grandes concursos de música que revelaram talentos como Elis Regina e Chico Buarque nos anos 60. Apoiada por Edu Krieger (contrabaixo e violão de sete cordas), idealizador e diretor musical do projeto, Marcelo Caldi (teclado e sanfona), PC Castilho (percussão, sopros e voz) e Fabiano Salek (bateria e voz), ela passeia por hinos como Ponteio, Sinal Fechado e Disparada, em novos arranjos. Sala Baden Powell. Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 360, Copacabana. Sábado (6), 21h; domingo (7), 20h. R$ 60,00.

Criolo embarca no samba na Fundição Progresso

Criolo: do rap ao samba Caroline Bittencourt/Divulgação

Uma das principais figuras do rap de São Paulo, Criolo, que já havia flertado com o estilo em outros trabalhos, embarcou de vez no samba em seu quarto disco, Espiral de Ilusão, lançado em 2017. De volta ao Rio com a turnê do álbum, o cantor — que assinava Criolo Doido na época do disco de estreia, Ainda Há Tempo (2006) — passeia por diferentes cadências em temas autorais, como o samba-canção Menino Mimado, o partido-alto Lá Vem Você e o divertido samba de breque Filha do Maneco,misturando a poética típica do gênero a letras atuais e engajadas. Antes, na abertura, a plateia vai ouvir o também rapper paulista Rincon Sapiência, uma das grandes revelações de 2017. Fundição Progresso. Rua dos Arcos, 24, Lapa. Sábado (6), 0h. R$ 80,00 (1º lote).

Continua após a publicidade

Cinequanon

Paula Kossatz/Divulgação

Psicose, Dogville, Matrix, Ensaio sobre a Cegueira e outros oitenta títulos do cinema mundial serviram como referência para Cinequanon, em cartaz a partir de quinta (4) no Teatro Caixa Nelson Rodrigues. Produção da carioca Focus Cia de Dança, concebida e dirigida pelo coreógrafo Alex Neoral, a montagem exibe essas influências em todos os detalhes, da trilha sonora à cenografia, passando pelos figurinos e pelos diversos personagens representados no palco (75min). 14 anos. Teatro Caixa Nelson Rodrigues. Avenida República do Chile, 230, Centro. Quinta a domingo, 19h. R$ 30,00. Até o dia 14. Estreia na quinta (4).

Se Meu Apartamento Falasse

Leo Aversa/Divulgação

✪✪✪ Se Meu Apartamento Falasse. Inspirada no premiado filme de Billy Wilder, a peça escrita por Neil Simon estreou em 1968, fez boa carreira na Broadway e notabilizou-se por ser a primeira (e única) incursão do compositor Burt Bacharach pelo teatro musical. A trama sobre o contador Chuck Baxter, que, para subir na vida, empresta o apartamento para encontros furtivos de seus colegas com amantes, pode soar um tanto sexista neste 2017. Mas o humor do original resiste ao tempo na adaptação feita por Charles Möeller e Claudio Botelho. Marcelo Médici dá vida ao protagonista e compensa a falta de vocação para o canto com carisma contagiante. Malu Rodrigues comprova que é uma das grandes atrizes brasileiras do gênero e brilha na interpretação de hits como I Say a Little Prayer (Eu Rezo pra Você Ficar) e I’ll Never Fall in Love Again (Eu Juro que Não Quero Mais). O elenco ainda conta com o excelente André Dias e a participação mais do que especial de Maria Clara Gueiros, idealizadora do projeto. A bonita cenografia de Rogério Falcão faz alusão simples e precisa à cidade de Nova York e abriga o competente octeto de instrumentistas comandado por Marcelo Castro (120min). 12 anos. Teatro Bradesco. Avenida das Américas, 3900 (Shopping VillageMall), Barra. Sexta e sábado, 21h; domingo, 18h. R$ 50,00 a R$ 150,00. Até o dia 14.

Exposição explora universo fantástico de Francisco Brennand

Rafael Martins/Divulgação

Cerâmicas, pinturas e desenhos revelam as diferentes fases criativas percorridas pelo pernambucano Francisco Brennand. Com abertura prevista para sábado (13), a exposição Mestre dos Sonhos reúne 31 obras do acervo original do artista de 90 anos, conhecido mundialmente por sua arte sincrética. Reprodução, mitologia, sexualidade, personagens históricos e representações da flora e da fauna (como a cerâmica vitrificada Pelicano, na foto ao lado) são alguns temas explorados nas criações. O misticismo nordestino é outra referência para os visitantes, que poderão ainda conferir fotos do arquivo pessoal do artista e um documentário sobre sua vida, dirigido por sua sobrinha-neta Mariana Brennand Fortes. Caixa Cultural. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro. Terça a domingo, 10h às 21h. Grátis. Até 11 de março. Abertura no sábado (13), 16h.

Corpos humanos são expostos no ParkShopping

MÁRIO ÁGUAS/Divulgação

Quem tem o estômago fraco deve passar longe do ParkShopping a partir de sábado (6): doze cadáveres e 150 órgãos reais, conservados em perfeito estado através de um processo chamado plastinação, serão exibidos na mostra O Fantástico Corpo Humano. A exposição faz um mergulho tridimensional dos pés à cabeça (literalmente), revelando segredos da anatomia, da pele às entranhas. De volta ao Rio, onde fez um tremendo sucesso no Museu Histórico Nacional em 2008, a atração já foi vista por 20 milhões de pessoas em quarenta países. Rec. a partir de 5 anos. ParkShopping. Estrada do Monteiro, 1200, Campo Grande. Segunda a sábado, 14h às 21h; domingo, 12h às 19h. R$ 25,00 a R$ 30,00. Até 25 de fevereiro.

Cidade das Artes recebe duas exposições criativas

Arno Beck/Divulgação

Duas coletivas de perfil original ganham lugar na Cidade das Artes no sábado (6). Na segunda edição, a TRIO Bienal — Bienal Tridimensional Internacional do Rio de Janeiro reúne 65 artistas, brasileiros e estrangeiros, para discutir questões urgentes da sociedade. Sob a temática Vestir o Mundo!, o curador Alexandre Murucci convidou nomes como Tunga e Nelson Leirner a apresentar obras que abordem a relação do homem com o planeta (parte das criações também ocupa o arboreto do Jardim Botânico). No mesmo dia, o prédio monumental na Barra recebe a The Wrong, uma bienal de arte descentralizada, que acontece em espaços reais e virtuais ao redor do mundo. A ideia é apresentar as mais diversas expressões artísticas da geração pós-digital. Estão confirmados trabalhos de Oskar Metsavath, Luiz Zanotello e do alemão Arno Beck, autor da pintura digital Top Secret (foto). Cidade das Artes. Avenida das Américas, 5300, Barra. Terça a domingo, 10h às 18h. Grátis. A partir de sábado (6).

Continua após a publicidade
Publicidade