Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Cinco obras para prestar atenção na mostra Brasilidade Pós-Modernismo

Coletiva no CCBB exibe produções de cinquenta artistas e evidencia o legado da Semana de 1922

Por Marcela Capobianco Atualizado em 17 set 2021, 10h21 - Publicado em 17 set 2021, 06h00

Voluta e Cercadura (2013) e Azulejão (Neoconcreto) (2016), de Adriana Varejão.
As telas da artista carioca formam um díptico de azulejos portugueses carcomidos pelo tempo, apontando para o desgaste da relação colonialista entre Brasil e Portugal.

Sem título (2019), de Maxwell Alexandre
Sem título (2019), de Maxwell Alexandre: carioca morador da Rocinha questiona as relações escravocratas que até hoje existem no país Jaime Acioli/Divulgação

Sem título (2019), de Maxwell Alexandre.
Exposta pela primeira vez, a pintura resgata a festa da socialite paulista, em 2019, que contratou modelos negras para posar de mucamas — um claro questionamento às relações escravocratas que se perpetuam até hoje.

Agarrados ao Poder (2021), de Luiz Hermano
Agarrados ao Poder (2021), de Luiz Hermano: crítica ao consumismo e à ganância Jaime Acioli/Divulgação

Agarrados ao Poder (2021), de Luiz Hermano.
A escultura, por sua magnitude estética, é um deleite para o olhar. Ao chegar perto, o espectador percebe que a obra é composta de pequenos pregadores de cobre, numa crítica do artista cearense à ganância.

Xilogravuras (2019-2021), de Francisco de Almeida
Xilogravuras (2019-2021), de Francisco de Almeida: referências regionais para falar sobre o Brasil contemporâneo Jaime Acioli/Divulgação

Xilogravuras (2019-2021), de Francisco de Almeida.
Presas à icônica rotunda do CCBB, as dezoito peças do artista cearense impressionam. Em grandes dimensões, partem da literatura de cordel e da temática popular para questionar a genuína identidade cultural no Brasil contemporâneo.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Amoroso (2018), de Rosilene Ludovico
Amoroso (2018), de Rosilene Ludovico: artista participa de sua primeira mostra itinerante Felipe Amarelo e Marcelo Gomes/Divulgação

Amoroso (2018), de Rosilene Ludovico.
No núcleo dedicado à natureza, a pintura integra uma nova corrente da arte brasileira calcada na pluralidade. Para a curadora Tereza de Arruda, “a brasilidade é múltipla e temos de explorar novos olhares”

Rua Primeiro de Março, 66, Centro. Qua. a seg., 9h/21h. Grátis. Agendamento pelo http://www.eventim.com.br; http://www.bb.com.br. Até 22 de novembro.

Continua após a publicidade
Publicidade