Quatro endereços recebem mostra “Ditadura em Cena”

Exibição de filmes, debates e peças de teatro integram a programação do evento, que começa nesta terça (12). Entrada franca

Vinte e um anos após o fim do regime militar no Brasil, a mostra de cinema Ditadura em Cena resgata momentos do período no país. Na programação, que começa na próxima terça (12), filmes clássicos e debates com militantes, cineastas e parentes de vítimas do regime militar. Até o próximo dia 30 de abril, o Museu do Ingá e as Bibliotecas-Parque Estadual do centro, de Manguinhos e da Rocinha recebem o evento.

+ Confira os 34 filmes no circuito carioca

Ao todo, serão nove encontros com entrada franca para exibição de filmes, peças de teatro e debates. Dentre eles, filmes clássicos como “Cabra marcado para morrer”, de Eduardo Coutinho, “Marighella, retrato falado do guerrilheiro”, de Silvio Tendler, e “Eles não usam black-tie”, de Leon Hirzsman. Entre os debatedores, o cineasta Silvio Tendler, o jornalista Mario Magalhães, autor do premiado livro “Marighella, o guerrilheiro que incendiou o mundo”,  Maria Marighella, neta do líder revolucionário, e Victória Grabois, presidente do Grupo Tortura Nunca Mais RJ, além da ex-diretora do Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro (APERJ) Jessie Jane, uma das militantes entrevistadas no filme “Que bom te ver viva”, de Lucia Murat.

+ Com Maggie Smith, drama A Senhora da Van estreia no Rio

Confira a programação completa:

Biblioteca Parque Estadual (Avenida Presidente Vargas 1.261, Centro)

 Terça, 12/4, das 16h às 19h

“Hoje”, de Tata Amaral — A história de Vera (Denise Fraga), ex-militante política que recebe uma indenização do governo, em decorrência do desaparecimento do marido, vítima da repressão provocada pela ditadura militar.

Debate: Victória Grabois (presidente do Grupo Tortura Nunca Mais RJ ) e Pedro Antônio Bonfim (ex-assessor da Comissão da Verdade do Rio), com mediação de

Lia Bahia (Coordenadora Geral de Desenvolvimento do Audiovisual da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro).

Sexta, 15/4, das 13h às 15h30

“Hércules 56”, de Silvio Da-Rin — O filme reavalia o ato considerado o mais ousado e espetacular da resistência ao regime militar: o sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick, em troca de 15 presos políticos.

Debate com Paulo César Ribeiro (Coletivo RJ Memória, Verdade e Justiça  e do movimento Ocupa Dops), com mediação de Carmen Pereira (Superintendência da Leitura e do Conhecimento da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro).

Que Bom te Ver VivaQue Bom te Ver Viva

 (/)

 Sábado, 23/4, das 16h às 19h

“Que bom te ver viva”, de Lucia Murat — O filme intercala cenas documentais com um monólogo ficcional de oito ex-presas políticas da ditadura militar brasileira, analisando como puderam enfrentar as torturas e prisões, relatando as situações e como sobreviveram a esse período, onde delírios e fantasias são recorrentes.

Debate com Lucia Murat (diretora do filme), Jessie Jane (uma das militantes que participam do filme) e Marcia Curi (Grupo de Filhos e Netos por Memória, Verdade e Justiça), com mediação de Vera Schroeder (Superintendente de Leitura e do Conhecimento da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro)

Terça, 26/4, de 16h às 19h

“Cabra marcado para morrer”, de Eduardo Coutinho — Por meio de lembranças e imagens do passado, o filme evoca o drama de uma família de camponeses durante os longos anos do regime militar. Trata-se de um ícone do cinema documental brasileiro.

Debate sobre possíveis interfaces com as lutas atuais, com Ana Miranda (Coletivo RJ pela Memória, Verdade e Justiça) e Cecília Boal (Coordenadora do Instituto Augusto Boal), com mediação de Jeanne Dosse (pesquisadora).

Sexta, 29/4, das 16h às 19h

“Marighella – retrato falado do guerrilheiro”, de Silvio Tendler — O documentário  conta a história, as polêmicas, as vitórias e derrotas de Carlos Marighella, um dos líderes da luta armada contra a ditadura civil-militar no Brasil.

Debate com Silvio Tendler (diretor do filme), Mario Magalhães (jornalista autor de “Marighella, o guerrilheiro que incendiou o mundo”, livro que recebeu o Prêmio APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes) como melhor biografia do ano) e Maria Marighella (atriz e neta do líder revolucionário), com mediação de Felipe Nin (Movimento Ocupa DOPS).

Cabra Marcado Pra MorrerCabra Marcado Pra Morrer

 (/)

Biblioteca Parque da Rocinha (Estrada da Gávea 454, Rocinha)

Sábado, 16/4, das 19h às 20h30

Espetáculo teatral “Para que não se esqueça. Para que nunca mais aconteça”, de Marcia Zanellato — A peça é uma celebração às mulheres mortas, torturadas e  desaparecidas durante a ditadura militar no Brasil. A intenção é expor o maquinário da violência usada, particularmente, com as mulheres e que vieram recentemente a público, a partir de investigações da Comissão da Verdade.

Debate com Marcia Zanellato (diretora da peça) e Castelo Branco (Bando Cultural Favelados), com mediação de Fernando Ermiro (produtor cultural da BPR).

Museu do Ingá (Rua Presidente Pedreira 78, Ingá, Niterói)

Quarta, 27/4, das 14h às 17h

“Cidadão Boilesen”, de Chaim Litewski — O filme revela as ligações de Henning Albert Boilesen (1916-1971), presidente do famoso grupo Ultra, da Ultragaz, com a ditadura militar brasileira.

Debate com Ricardo Figueiredo de Castro (professor adjunto de História Contemporânea no Instituto de História, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com mediação de Andrea Toledo (professora história UFF).

Biblioteca Parque de Manguinhos (Av. Dom Helder Câmara 1.184, Benfica)

O Dia em Que Dorival Encarou o GuardaO Dia em Que Dorival Encarou o Guarda

 (/)

Quinta, 28/4, das 16h às 19h

“O dia em que Dorival encarou a guarda”, de Jorge Furtado e José Pedro Goulart — O curta faz uma crítica às instituições da sociedade brasileira pós-ditadura.

“Uma família ilustre”, de Beth Formaggini — O curta enfoca uma conversa entre Cláudio Guerra, agente responsável por mortes e desaparecimentos de cadáveres de militantes contra a ditadura militar, e Eduardo Passos, psicólogo e defensor dos direitos humanos.

Debate com Beth Formaggini (diretora do curta “Uma família ilustre”), Andrea Prestes (Historiadora pela UFRJ), Adriana Kairos(professora, escritora e coordenadora do Projeto ALEPA – A literatura dos espaços populares) e Bel Palmeira (produtora), com mediação de Maura Santiago (gerente de atendimento da BPM).

Sábado, 30/4, das 16h às 19h

“Eles não usam Black-tie”, de Leon Hirszman — Baseado na peça de Gianfrancesco Guarnieri, o filme retrata um movimento grevista que se inicia numa empresa. Após engravidar a namorada, um operário decide se casar. Com medo de perder o emprego, ele fura a greve, liderada por seu pai.

Debate com Marcia Zanellato (autora da peça “Eles não usam tênis naique”), Ana Carina (atriz e produtora teatral da Cia do Gesto) e Phelipe Azavedo (Cia Marginal), com mediação de Vera Schroeder (Superintendente de Leitura e do Conhecimento da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro).

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s